Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Pepe Vargas nega que articulação do governo seja 'capenga'

Ministro-chefe da Secretaria de Relações Institucionais rebateu reclamação do presidente do Senado, Renan Calheiros e disse que governo deve integrar mais o PMDB

RAFAEL MORAES MOURA, O Estado de S. Paulo

25 Fevereiro 2015 | 13h17

Brasília - Alvo de duras críticas de líderes peemedebistas, o ministro-chefe da Secretaria de Relações Institucionais, Pepe Vargas, fez nesta quarta-feira, 25, uma "mea-culpa" na relação com o partido, mas negou que a articulação política do governo seja capenga e que a distribuição de cargos no segundo escalão tenha sido uma demanda apresentada pela sigla.

A fala de Vargas ocorre um dia após o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), reclamar que a coalizão do governo da presidente Dilma Rousseff está "capenga".

A queixa do peemedebista ocorreu depois do jantar realizado no Palácio do Jaburu, residência oficial do vice-presidente da República e presidente do PMDB, Michel Temer, que contou com a presença de integrantes da equipe econômica do governo e do ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante.

" STYLE="FLOAT: LEFT; MARGIN: 10PX 10PX 10PX 0PX;

"Não diria que (a coalizão) está capenga. Sempre precisa haver mais debate, mais conversa, mas eu não classificaria como capenga. Acho que é um momento de aperfeiçoamento. E o momento é agora, que é o início de um novo governo. É hora certa de os partidos dizerem aquilo que querem dizer, no sentido de ser mais participantes", disse Pepe Vargas a jornalistas.

"Eu acho que a gente tem que eventualmente até fazer uma mea-culpa, se o PMDB está se sentindo efetivamente assim (distante da tomada de decisões), tomar as medidas para que ele possa se sentir mais integrado às definições dessas questões. Encaramos isso com a mais absoluta normalidade e como uma tentativa de o PMDB contribuir mais ainda do que ele está contribuindo."

Segundo escalão. Questionado se a distribuição de cargos no segundo escalão poderia ser uma forma de acalmar os ânimos da base aliada, Pepe Vargas disse que o "PMDB está dizendo não é que quer cargo, é que ele quer participar do debate".

"Não trabalharia por esse viés. Ninguém aqui tá dizendo que precisa de cargo para apoiar o governo, e sim dizendo: ''nós queremos ter mais oportunidade de dialogar, de debater as decisões do governo''", comentou o ministro. "O vice (Michel Temer) dialoga permanente com a presidente Dilma Rousseff. O que o PMDB está colocando é que ele quer participar mais."

Mais conteúdo sobre:
pepe vargas pmdb articulação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.