Pelos votos do PMDB, reforma ministerial deve antecipar-se

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai dizer nesta quinta-feira aos dirigentes do PMDB, durante encontro no Palácio da Alvorada, que está disposto a antecipar para agosto a reforma ministerial inicialmente prevista para dezembro. Tudo para garantir os votos do partido no Congresso.Em troca do apoio da maior parte dos 70 deputados e 22 senadores do PMDB, o presidente vai oferecer à cúpula da legenda duas opções no primeiro escalão: o Ministério do Planejamento, hoje sob comando de Guido Mantega, ou a Secretaria da Assistência e Promoção Social, a cargo de Benedita da Silva.De acordo com assessores do Planalto, Lula está convencido de que é possível deslocar qualquer um dos dois ministros para outra função na máquina federal. Mantega pode ficar com uma diretoria do Banco do Brasil, e Benedita tende a continuar na área social, em algum alto posto.Ao comando do PMDB, Lula deixará claro que presença de um representante do partido no ministério dependerá do comportamento de sua bancada durante as votações no Congresso, em especial nas discussões das reformas da Previdência e tributária. A avaliação no Palácio do Planalto é de que a aprovação dessas propostas depende fundamentalmente dos votos do PMDB.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.