Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

'Respeito à Constituição será nosso norte', diz Bolsonaro sobre Moro

Presidente eleito confirmou que juiz da Lava Jato vai assumir Ministério da Justiça

Paulo Beraldo, O Estado de S.Paulo

01 Novembro 2018 | 11h33

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) anunciou oficialmente na manhã desta quinta-feira, 1º, que o juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, aceitou o convite para assumir o Ministério da Justiça e Segurança Pública. Na quarta-feira, a colunista a colunista Sonia Racy, do Estado, antecipou a informação de que o magistrado aceitaria a Pasta

Moro aceitou pessoalmente o convite de Bolsonaro após reunião na casa do presidente eleito, no Rio, que durou cerca de 1 hora e meia. O juiz disse ter sido motivado pela perspectiva de "implementar uma forte agenda anticorrupção e anticrime organizado". 

"Na prática, significa consolidar os avanços contra o crime e a corrupção dos últimos anos e afastar riscos de retrocessos por um bem maior. A Operação Lava Jato seguirá em Curitiba com os valorosos juizes locais. Para evitar controvérsias desnecessárias, devo desde logo afastar-me de novas audiências". 

A decisão de Sérgio Moro provocou reações contrárias e favoráveis no mundo político e mobilizou nomes como os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva, além de governadores eleitos, senadores e deputados. Juristas e especialistas ouvidos pelo Estado divergiram sobre o aceite

Outros ministérios

O juiz Sérgio Moro é o quinto ministro a ser anunciado pelo governo Bolsonaro. Além dele, o futuro presidente já anunciou os nomes do deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) para a Casa Civil, do economista Paulo Guedes para o Ministério da Economia, pasta que englobará os ministérios da Fazenda, do Planejamento e da Indústria e Comércio Exterior, e também do general Augusto Heleno para chefiar o Ministério da Defesa. Na quarta, confirmou o astronauta Marcos Pontes como ministro da Ciência e Tecnologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.