Pelo Twitter, Cristina Kirchner celebra encontro com Dilma

A presidente da Argentina exaltou integração econômica com o Brasil e disse que comércio bilateral 'experimentou crescimento de 273,4% desde 2003'

Ariel Palacios, de O Estado de S.Paulo,

01 de fevereiro de 2011 | 16h47

BUENO AIRES - A presidente Cristina Kirchner recorreu nesta terça-feira, 1,  ao Twitter, a rede de micro-bloggings, para expressar sua satisfação pela visita da presidente Dilma Rousseff e celebrar a integração econômica entre a Argentina e o Brasil. Por intermédio do Twitter, que tornou-se a forma preferida de comunicação da presidente Cristina, dona da conta @cfkargentina, ela ressaltou que "tivermos a altíssima honra de receber @dilmabr (conta da presidente brasileira no Twitter) em sua primeira viagem oficial ao exterior desde que tomou posse de seu cargo como presidente do Brasil".

 

Cristina, que usa a conta @cfkargentina, destacou no Twitter que "o comércio bilateral entre a Argentina e o Brasil experimentou um crescimento de 273,4% desde 2003". Na sequência, Cristina indicou que de acordo com o relatório IES (uma consultoria econômica portenha) o comércio entre ambos países passou de US$ 8,641 bilhões de dólares em 2003 a US$ 32,26 bilhões em 2010".

 

A presidente também ressaltou a assinatura de acordos, além da reunião de Dilma com as organizações de defesa dos direitos humanos das Mães e Avós da Praça de Mayo: "assinamos convênios de cooperação energética, tecnológica, científica e social e @dilmabr reuniu-se com Mães e Avós da Praça de Mayo".

 

Cristina tuiteou fotos e vídeos com imagens das reuniões e do almoço de honra oferecido a Dilma no elegante palácio San Martín, sede da diplomacia argentina. "Se até agora o Brasil e a Argentina estavam unidos, a partir de agora estarão mais ainda. Isto é o que ambas presidentes queremos", tuiteou Cristina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.