Pela 1ª vez, Renan se posiciona contra o voto aberto

'Não sou favorável ao voto aberto, o voto secreto foi uma conquista da democracia', diz o presidente do Senado

Ana Paula Scinocca, do Estadão

26 de setembro de 2007 | 13h28

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse nesta quarta-feira, 26,  que não é favorável ao fim do voto secreto.Esta foi a primeira vez que  Renan se posicionou sobre o assunto, desde que foi absolvido no último dia 12, por voto secreto, em sessão igualmente secreta do Senado, sobre processo de quebra do decoro parlamentar.   Veja Também:    Especial: veja como foi a sessão que livrou Renan da cassação Cronologia do caso  Entenda os processos contra Renan  Fórum: dê a sua opinião sobre a decisão do Senado   Conselho de Ética analisa segundo processo contra Renan   "Não sou favorável (ao voto aberto). O voto secreto foi uma conquista da democracia. O voto secreto existe para proteger as pessoas da pressão do poder político e do poder econômico e também, hoje, de setores da própria mídia", afirmou Renan. "O voto secreto existe para isso. Porque senão pessoas votarão pressionadas", acrescentou.   Para Renan, o voto aberto tem sentido em algumas votações, mas não em outras. "Imagine o que significa voto aberto para apreciação de veto. O que o poder político não vai fazer com relação a pressão para que a pessoa vote de determinada maneira. Imagina uma corporação votando o julgamento de um membro da corporação no voto aberto. O que é que setores da mídia não vão fazer para que pessoas votem daquela maneira? O voto secreto é uma conquista da democracia", declarou.   Na última terça, líderes partidários fizeram um acordo para que as votações sejam retomadas no Senado, desde que haja prioridade na votação do projeto de resolução que acaba com as sessões secretas nas votações de perda de mandato. A sessão aberta, se aprovada, entrará em vigor nas votações de outras três representações contra Renan.   Entre os defensores do fim da sessão fechada há também os que defendem o fim do voto secreto, nas sessões de cassação de mandato. O assunto está previsto para ser discutido ainda hoje na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).   Questionado se é favorável ao voto secreto nas sessões de cassação, Renan esquivou-se: "Eu não quero entrar nesse tipo de discussão, porque eu não posso substituir o Senado. Eu sou apenas um senador que preside o Senado, que conduz o Senado e que vota em algumas circunstâncias e em outras não. Eu só voto se houver empate. De modo que tudo tem que ser decidido coletivamente, em associação pelo Senado", disse.   Renan também comentou o acordo dos líderes partidários para que as votações voltem a ocorrer depois de duas sessões paralisadas na semana passada. "É possível votar tudo, desde que a Casa queira", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
Caso Renan

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.