Pefelista pára Câmara ao discursar contra ministro da Saúde

O líder da minoria, deputado José Thomaz Nonô (PFL-AL), parou o plenário da Câmara, com um discurso da tribuna, no qual criticou a campanha do Ministério da Saúde para combater o mosquito da dengue. O ministério está distribuindo aos empresários uma caixa, apelidada por Nonô de "kit saúde", pedindo o engajamento da empresa na campanha. Da tribuna, Nonô abriu a caixa mostrando a carta do ministro, um CD que, segundo o deputado, ensina "as maneiras de atacar o mosquito", e um mata-mosquito de plástico. "Eu, como líder da oposição, usaria esse instrumento no bumbum do ministro", discursou Nonô, batendo o mata-mosquito na tribuna. "Esse é um exemplo claro e límpido de como desperdiçar o dinheiro público", afirmou Nonô. Para reforçar suas críticas, o deputado citou trechos de declaração do ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde Gastão Wagner, demitido no mês passado por atritos com Humberto Costa, de que o "Ministério trabalha em função do marketing". O deputado afirmou que, em vez de atacar o mosquito da dengue com "fumacês" e ações efetivas, o Ministério da Saúde gasta dinheiro distribuindo mata-mosquitos para os empresário "jogando fora o dinheiro do contribuinte". Com ironias, Nonô chamou a atenção do plenário com seu discurso. "Mosquitos do mundo todo, tremei. O ministro Humberto Costa, que mata mosquito no punho, está atrás de vocês", concluiu Nonô, recebendo aplausos dos deputados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.