WILTON JUNIOR/ESTADÃO
WILTON JUNIOR/ESTADÃO

Peemedebistas que votariam contra o impeachment devem faltar a votação

Senadores Jader Barbalho (MA), Edison Lobão (MA) e Eduardo Braga (AM), que até então não revelaram seu voto ao Placar do Impeachment do Estadão, não confirmaram presença

Isabela Bonfim, BRASÍLIA

11 de maio de 2016 | 14h33

BRASÍLIA - Senadores do PMDB que votariam contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff não devem participar da votação desta quarta-feira. De acordo com um dos senadores da bancada, a presidente teria 5 dos 18 votos do partido, entretanto, apenas dois devem vir ao plenário.

De acordo com o peemedebista, os senadores Jader Barbalho (MA), Edison Lobão (MA) e o ex-ministro das Minas e Energia, Eduardo Braga (AM), que até então não revelaram seu voto ao Placar do Impeachment do Estadão, votariam contra o afastamento da presidente. Porém, é provável que nenhum deles participe da sessão de hoje.

Braga está licenciado do cargo e Jader está doente. Edison Lobão não confirmou se viria ou não. Outros dois senadores, João Alberto Souza (MA) e Roberto Requião (PR) já declararam voto contra o impeachment e vão participar da sessão. João Alberto, entretanto, não se inscreveu para discursar no plenário. Ele disse não achar "necessário".

Alguns senadores do PMDB que informaram que são contrários ao impeachment receberam a visita do líder da bancada, Eunício Oliveira (CE), em seus gabinetes nos últimos dias. De acordo com eles, não haverá qualquer retaliação. Eunício se comprometeu em anunciar voto a favor do impeachment em nome da bancada, mas confirmou que demais senadores estariam livres para expressar voto contrário. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.