Peemedebista diz que decisão da executiva é alerta para Lula

O secretário-geral do PMDB, deputado Saraiva Felipe (MG), disse que a decisão da Executiva Nacional do partido de aprovar aentrega dos cargos federais ao governo serviu como um alerta ao Palácio do Planalto. Segundo ele, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva precisa sentar à mesa com o presidente do PMDB, deputado Michel Temer (SP), parafazer o que defendeu quando assumiu o governo: conversarinstitucionalmente com o partido. O deputado reclama que Lula ignora a direção nacional do partido, optando por escolher outros interlocutores na legenda. "O PMDB chegou ao governo por adesão e não para discutir umprojeto para o País, o que seria a verdadeira coalizão", disse o deputado, ao avaliar que o resultado da Executiva foi um recado. "Um pequeno grupo se apropriou como porta-voz do governo dentro do PMDB", afirmou Saraiva Felipe que, na quarta-feira, esteve com o ministro da Coordenação Política, Aldo Rebelo, e na quinta-feira, com o ministro-chefe da CasaCivil, José Dirceu. Ele disse ter advertido a ambos que o governo atua de modo errado com o PMDB. "Ou vocês ampliam o diálogo e incluem a direção do PMDB e os governadores nas conversas ou terão problemas", avisou aos ministros, segundo relato do próprio deputado. ConvençãoSaraiva Felipe garantiu que os defensores da permanência do partido no governo federal não conseguirão esvaziar a convenção nacional convocada pelos diretórios estaduais para o próximo Domingo. "É uma estratégia de fuga e deixa claro que a tese defendida por eles não tem eco entre os convencionais", afirmou.O deputado disse que o esquema paradomingo está todo organizado e que não faltará quórum para as deliberações, apesar do boicote do grupo pró-governo, que foi derrotado ontem na Executiva Nacional do PMDB. A expectativa do deputado é a de quea convenção vai confirmar a decisão da Executiva em favor da devolução dos cargos ao governo federal, como também em favor da proposta de lançamento de candidatura própria à presidência da República em 2006. Para SaraivaFelipe, a tendência da convenção é aprovar as propostas do grupo que deseja independência em relação ao governo federal, mas ressaltou que o espaço para o diálogo continua aberto. "Mas que desçam do salto", brincou,o deputado que recebeu um telefonema do líder do PMDB, senador Renan Calheiros (AL), em busca de saída para o confronto instalado entre os defensores da permanência do partido no governo e os que desejam ficar na posição de independência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.