Pedrossian passa mal durante discurso em Campo Grande

O ex-governador de Mato Grosso do Sul, Pedro Pedrossian (sem partido), desmaiou em pleno discurso que fazia para uma platéia de quase 600 pessoas, no lançamento do seu livro "O Pescador de Sonhos". Ele foi conduzido para o Hospital Proncor, onde a assessoria informou que Pedrossian sofre de labirintite, que será medicado e voltará para casa onde ficará em repouso. Informações colhidas no local dão conta de que o estado do ex-governador inspira cuidados mais especiais dos que são dedicados a um paciente com labirintite. O mal-estar pode ser conseqüência de uma briga judicial que manteve com o senador licenciado Delcídio do Amaral (PT), que presidiu a CPI dos Correios. Dez horas antes da noite de autógrafo que aconteceu no Centro de Convenções Rubens de Camillo, no Parque dos Poderes, centro político-administrativo do Estado, o senador ganhou liminar na Justiça, impedindo o lançamento do livro. Pedrossian, recorreu e conseguiu a noite de autógrafo. Por volta de 22 horas locais, durante um discurso, passou mal e foi atendido pelo prefeito de Campo Grande, Nelson Trad Filho (PMDB), pelo deputado federal Geraldo Resende e pelo ex-prefeito André Puccinelli (PMDB), candidato ao governo do Estado, que são médicos. PolêmicaA ação movida por Delcídio foi explicada em nota oficial divulgada pelo senador no final da tarde onde afirma que "a decisão do Tribunal de Justiça autorizando o lançamento do livro foi fundamentada no princípio da liberdade de expressão. No entanto, essa decisão não afasta o direito do senador de continuar com a ação por perdas e danos, decorrentes das inverdades contidas na publicação". No livro, são destacados trechos sobre a campanha política de 2002,quando Pedrossian perdeu a disputada ao Senado para Delcídio do Amaral. Amaral, achou ofensivas as observações e tentou impedir o lançamento da publicação. "Fui ofendido na ocasião e exijo um a retração. Não sabia que Pedrossian usaria isso no livro que lançou hoje", disse o senador. "Desejei, simplesmente, esclarecer fatos que, na minha ótica, estão se perpetuando na história de maneira equivocada, e registrar outros que nunca chegaram ao conhecimento público, que tiveram muito a ver com a dinâmica dos acontecimentos que marcaram a minha participação nos destinos de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul", disse o ex-governador, sobre os motivos que o levaram a escrever o livro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.