Pedido de quebra de sigilo atingiu também o STF

O pedido de quebra de sigilo de telefones celulares feito pela promotora pública do Distrito Federal Márcia Milhomens Sirotheau Corrêa à Justiça atingiu, além do Palácio do Planalto, o Supremo Tribunal Federal e o Congresso, segundo reportagem da Folha de S. Paulo publicada nesta quinta-feira. Segundo a notícia, as antenas localizadas no alvo do Ministério Público cobrem toda a área da Praça dos Três Poderes.

AE, Agência Estado

17 de abril de 2014 | 20h30

Em reação à solicitação do MP, a Advocacia-Geral da União (AGU) ingressou com uma reclamação disciplinar contra a promotora na Corregedoria do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), que avalia condutas de seus integrantes.

O pedido para monitoramento das ligações foi feito em 27 de fevereiro após denúncias de que o ex-ministro José Dirceu, que ocupou a Casa Civil de 2003 a 2005 no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, teria feito ligações de dentro da cadeia. Dirceu está preso no Presídio da Papuda, cumprindo pena por corrupção.

Mais conteúdo sobre:
quebra de sigiloPlanaltoSupremo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.