Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Pedido de prisão de Pezão cita 25 bilhetes com valores de propinas

Petição assinada pela procuradora-geral Raquel Dodge também transcreve escuta telefônica na qual Pezão fala sobre ajuda a Cabral na prisão

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

01 Dezembro 2018 | 23h06

RIO - A petição encaminhada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) pedindo a prisão do governador do Estado do Rio, Luiz Fernando Pezão (MDB), informa a existência de 25 bilhetes que citam o governador ou codinomes ligados a ele ao lado de valores que, somados, chegam a R$ 2,2 milhões. Além disso, há uma transcrição de conversa telefônica em que Pezão considera interceder em favor de Sérgio Cabral junto à direção do presídio Bangu 8, onde o ex-governador cumpre pena.

O documento tem 151 páginas e estava sob sigilo, que foi levantado neste sábado, 1º, pelo ministro Felix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Foi ele quem autorizou a prisão de Pezão.

Segundo trecho da peça, "foram identificadas anotações com datas e valores que fazem referências a pagamentos realizados a 'PÉ', 'PZÃO', 'PEZÃO', 'BIG FOOT' e 'PEZZONE'. No total são 25 ocorrências, cuja maioria revela transferência de grandes vantagens indevidas para o governador Pezão. O montante ultrapassa os dois milhões e duzentos mil reais. Foi possível identificar pagamentos realizados entre os anos de 2012 a 2014".

Em outro trecho da petição, a procuradora Raquel Dodge transcreve uma conversa telefônica em que Luiz Fernando Pezão considera ajudar Sérgio Cabral. A conversa aconteceu em julho, logo após Cabral se desentender com procuradores que faziam uma inspeção em Bangu 8 e, por conta disso, ter sido encaminhado para outra cela. Na conversa, Pezão se compromete a "entrar no circuito".

Segundo a peça assinada por Raquel Dodge, a conversa telefônica mostraria que "as atuais ligações de Pezão com a organização criminosa seguem ativas ainda hoje" e que o governador "desfruta de vínculos com o condenado e associado Sérgio Cabral".

Preso na quinta-feira, 29, Pezão está detido na Unidade Prisional da Polícia Militar, no Fonseca, em Niterói. Ele está em uma cela especial por prerrogativa de cargo, mas, segundo a PM, sua rotina é igual à dos demais presos. O Estado não conseguiu contato com a defesa do governador do Rio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.