Pedido de cassação de Paulinho vai a Conselho de Ética

A Mesa da Câmara acatou hoje por unanimidade o pedido de cassação do mandato do deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho da Força, elaborado pelo corregedor da Câmara, Inocêncio Oliveira (PR-PE), por quebra de decoro parlamentar. O parecer vai servir de base para a abertura do processo no Conselho de Ética da Câmara. O colegiado elege amanhã o seu presidente em substituição ao deputado Ricardo Izar (PTB-SP), morto no início do mês. Segundo o parecer de Inocêncio, Paulinho, presidente da Força Sindical, usou dinheiro da verba indenizatória que todo parlamentar tem direito para custear despesas com o mandato fora de Brasília para pagar por assessoria de duas pessoas ligadas à central: Luiz Fernando Emediato, presidente do Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat), e Antonio Diniz. O corregedor analisou as notas e os recibos que foram apresentados por Paulinho, desde que assumiu o mandato em fevereiro do ano passado, para justificar os gastos com a verba indenizatória de R$ 15 mil mensais e constatou que o deputado pagou por mês a Emediato e a Diniz de R$ 2.250 a R$ 4.250 para cada um. Inocêncio afirmou que os dois seriam ligados também a João Pedro de Moura, acusado pela Polícia Federal de ser um dos principais envolvidos no suposto esquema de desvio de dinheiro do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Ex-consultor do BNDES, Moura foi indicado para o cargo por Paulinho. "Eles (Emediato e Diniz) prestaram assessoria econômica e assessoria parlamentar", disse Paulinho, confirmando o uso da verba indenizatória. Para mostrar a ligação de Paulinho com Moura, Inocêncio levantou também os registros das entradas do ex-consultor do BNDES na Câmara feitos pela Polícia Legislativa. São imagens captadas pelas câmeras internas e os registros nominais feitos nas entradas na Câmara. Nos 15 meses do mandato de Paulinho, Moura entrou por 39 vezes pelo anexo 4 da Câmara. Dessas 39 vezes, há imagens de Moura entrando no gabinete de Paulinho por 12 vezes. Das quase 40 visitas do ex-consultor do BNDES na Câmara, em grande parte delas ele foi para o segundo andar, onde fica o gabinete de Paulinho. Para Inocêncio, a freqüência das visitas mostra um vínculo entre Paulinho e Moura."Não temos a menor dúvida da culpa do deputado Paulo Pereira da Silva. É caso para perda de mandato, tranqüilamente", afirmou o corregedor. "A situação (de Paulinho) é gravíssima", acrescentou o deputado. "Não tenho dúvida que os fatos são tão claros e fortes que mostram a participação dele no esquema", reforçou Inocêncio. O corregedor disse estar tão convicto da participação de Paulinho no episódio apurado pela Polícia Federal, na denominada Operação Santa Tereza, que não foi preciso criar uma comissão de sindicância para ampliar as investigações. Segundo Inocêncio, seria "perda de tempo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.