'Pedi para o procurador da República me investigar', diz Renan

Nesta segunda, Antonio Fernando de Souza encaminhou abertura de inquérito ao Supremo Tribunal Federal

06 de agosto de 2007 | 16h17

Ao chegar nesta segunda-feira, 6, ao Senado Federal, o presidente da Casa, Renan Calheiros, disse que a decisão do procurador geral da República, Antonio Fernando de Souza, de investigar as denúncias contra ele, atende a um pedido que fez há cerca de um mês.   Veja também:   Cronologia do caso Renan    Procurador encaminha ao STF pedido de inquérito contra Renan   "Eu pedi para o procurador me investigar. Eu me dispus a abrir meu sigilo", afirmou. Renan disse que não entende porque a Revista Veja insiste em fazer denúncias "infundadas" contras ele.   O presidente do Senado referia-se à última reportagem da revista que afirma que Renan é dono oculto de duas emissoras de rádio de Alagoas que valem cerca de R$ 2,5 milhões.   O procurador, segundo sua assessoria, disse que pode pedir a inclusão de mais uma denúncia contra o senador, feita pela revista.     O líder do DEM, senador José Agripino (RN), anunciou que vai entrar com representação contra Renan. "Pedi ao setor jurídico do partido a elaboração de uma representação. Acertei isso com o presidente do partido, deputado Rodrigo Maia (RJ), e agora quero ouvir a bancada para que a atitude seja do partido", explicou.   Renan já é alvo de representação no Conselho de Ética por quebra de decoro parlamentar. Entre as denúncias contra ele, estaria a de ter despesas pessoais pagas por lobista da construtora Mendes Junior.O pagamento seria destinado a uma filha do senador com a jornalista Monica Veloso.    

Tudo o que sabemos sobre:
RenanSenado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.