Maryanna Oliveira/Agência Câmara
Maryanna Oliveira/Agência Câmara

PDT vai ao STF por votação virtual para grupo de risco na Câmara

Após pressão de apoiadores de Arthur Lira, Mesa Diretoria tinha definido que eleição seria estritamente presencial

Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

20 de janeiro de 2021 | 15h18

BRASÍLIA – A disputa pelo comando da Câmara já chegou à Justiça. O presidente do PDT, Carlos Lupi, e o deputado Mário Heringer (PDT-ES) pediram nesta quarta-feira, 20, a interferência do Supremo Tribunal Federal (STF) para que a votação no próximo dia 1º de fevereiro seja virtual para os deputados no grupo de risco da covid-19.

Após pressão de apoiadores da candidatura de Arthur Lira (PP-AL), a Câmara decidiu na segunda-feira, 18, que a eleição para a sucessão de Rodrigo Maia (DEM-RJ) será em votação estritamente presencial. A decisão foi tomada em reunião da Mesa Diretora da Casa, com votos contrários de Maia e também de Heringer, que é médico, faz parte da Mesa e era relator da questão.

Maia estudava a possibilidade de realizar um formato misto de eleição, liberando a votação virtual para o grupo de risco. Segundo Maia, cerca de 2 mil servidores precisam ser mobilizados no dia, além dos deputados e da imprensa.

Para Entender

Veja o placar da eleição para presidente da Câmara dos Deputados

Baleia Rossi, candidato de Rodrigo Maia, e Arthur Lira, apoiado por Bolsonaro, lideram corrida pela presidência da Casa; siga distribuição de votos por deputado, partidos e Estados

O PDT apresentou na terça-feira, 19, um mandado de segurança com pedido de medida liminar de urgência no Supremo contra ato da Mesa Diretora da Câmara. No documento, os pedetistas pedem que, na eleição, em 1º de fevereiro, seja aplicado o regime híbrido de votação, para permitir que os parlamentares que se encontram no grupo de risco possam votar por meio do Sistema de Deliberação Remota (SDR).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.