PDT recorre contra prefeito

Partido contesta propaganda veiculada pelo DEM

Silvia Amorim, O Estadao de S.Paulo

31 de janeiro de 2008 | 00h00

O período eleitoral começa oficialmente em 5 de julho, mas, nos tribunais eleitorais, a disputa entre os partidos já foi deflagrada em São Paulo. O alvo preferencial tem sido o prefeito Gilberto Kassab (DEM). Ontem, o PDT, que lançou o deputado Paulo Pereira da Silva como pré-candidato à Prefeitura de São Paulo, entregou uma representação no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) contestando propaganda política do DEM veiculada entre 21 e 26 deste mês. Kassab foi a estrela da inserção. "Eles estão exagerando. O Kassab usou obras da prefeitura para fazer promoção pessoal", disse o presidente estadual em exercício do PDT, José Gaspar Ferraz de Campos. O PT, que deve ter como candidata a ministra do Turismo, Marta Suplicy, também vai pedir à Justiça Eleitoral punição ao partido do prefeito. "Até sexta-feira vamos entrar com nossa representação", afirmou o presidente municipal do PT, José Américo Dias.Os dois partidos acusam o DEM de desvio de finalidade da propaganda partidária com intenções eleitoreiras. A punição é a perda de tempo nas próximas inserções.A Procuradoria Regional Eleitoral também está de olho nas propagandas políticas. No fim do ano passado, o DEM e o PP foram punidos pelo TRE. As legendas estão recorrendo. Em relação ao DEM, a procuradoria requisitou cópias dos programas deste mês a emissoras de rádio e TV. Quer saber se houve abuso.A presença de Kassab na inauguração de duas estações de trem anteontem na zona leste, a convite do governador José Serra e ao lado do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, também incomodou os adversários. O PT pôs seus advogados para estudar se cabe representação à Justiça Eleitoral contra o prefeito e Serra.Para o presidente da Comissão de Direito Eleitoral da OAB, Everson Tobaruela, a presença de Kassab no palanque do governo do Estado configura abuso de autoridade, de poder econômico e político, passível de punição pela legislação eleitoral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.