PDT homologa candidatura de Paulinho sem o vice

As cerca de três mil pessoas, entre militantes e simpatizantes, que compareceram à sede da Força Sindical, no Centro de São Paulo, para participar da Convenção Municipal do Partido Democrático Trabalhista (PDT), saíram do local sem saber o nome do candidato a vice-prefeito na chapa encabeçada pelo sindicalista Paulo Pereira da Silva, o Paulinho.Inicialmente, o companheiro de chapa de Paulinho seria o advogado trabalhista Drausio Rangel, que atua no setor patronal e no ano passado coordenou as negociações do Grupo 3 (autepeças, forjaria e parafusos) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). No entanto, antes de formalizar a candidatura de Paulinho a prefeito, o presidente da Executiva Municipal do PDT, o vereador Carlos Apolinário, comunicou que o nome do candidato a vice não seria aprovado na convenção de hoje. Segundo os dirigentes pedetistas, o nome deverá ser definido até quarta-feira, último dia para a realização de convenções e definição de candidaturas. Rangel, em entrevista à Agência Estado, afirmou que manteria sua candidatura, mas que a cúpula municipal do PDT estava ainda conversando para acertar alguns detalhes sobre a chapa. A mesma versão foi dada por Paulinho que, entretanto, evitou esclarecer os motivos da postergação. Uma fonte ligada ao PDT disse à Agência Estado que Drausio Rangel teria retirado a sua candidatura momentos antes do início da convenção pedetista. Oficialmente, foram homologadas apenas as candidaturas de Paulinho e dos 65 pedestistas que disputarão a vereança. A convenção também autorizou os dirigentes do partido a negociarem possíveis coligações, mas tanto Paulinho como Apolinario não sinalizaram iniciativas concretas nesse sentido. Paulinho disse que o tema central da campanha do PDT será o combate ao desemprego na cidade de São Paulo. O candidato do PDT disse que demitirá funcionários nomeados pela atual administração com base em critérios políticos. "Vamos fazer uma reforma na Prefeitura e todos os funcionários apadrinhados serão demitidos", enfatizou. Ele prometeu ainda acabar com a taxa de lixo criada pela prefeita Marta Suplicy e implantar um sério programa de moradia em São Paulo. "Estamos começando a nossa campanha como se fosse uma corrida de Fórmula 1. Nem sempre o carro que larga na frente ganha a prova. Nem sempre o candidato que sai na frente nas pesquisas ganha a eleição", disse Paulinho.Brizola - A convenção pedetista foi marcada por críticas ao PT e ao governo e por diversas homenagens ao fundador e maior líder do partido, o ex-governador Leonel Brizola, morto na última segunda-feira. "As idéias do nosso líder maior não morreram e nós vamos dar continuidade a elas", assegurou Apolinário, saudado pelos convencionais que agitavam os lenços vermelhos que o PDT adotou como símbolo. Também foi exibido um video sobre a trajetória política de Brizola.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.