Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

PDT e PSB perderão pelo menos R$ 30 milhões do fundo eleitoral se expulsarem 'dissidentes'

'Prejuízo' pode aumentar se o Congresso alterar os valores do fundo

Cecília do Lago e Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

29 de agosto de 2019 | 10h45

Se levarem adiante a ameaça de expulsar deputados que desobedecerem a orientação de votar contra a reforma da Previdência na Câmara, o PDT e o PSB, perderão, respectivamente, 15% a 19% dos recursos do fundo eleitoral a que têm direito. Com isso, somados, os dois partidos terão R$ 30 milhões a menos para custear suas campanhas no ano que vem. Mas o “prejuízo” pode aumentar se o Congresso alterar os valores do fundo.

O Fundo Especial de Financiamento de Campanha, composto apenas por verba pública, foi instituído em 2017 pelo Congresso Nacional como uma forma de "compensar" o veto à doação privada. A proibição foi definida pelo Supremo Tribunal Federal (STF) dois anos antes, em 2015, na esteira da Operação Lava Jato, que revelou pagamento de caixa 2 em campanha a centenas de políticos.

No caso do PSB, que tem uma bancada de 32 deputados federais, a opção de expulsar um total de 11 parlamentares considerados infiéis representaria 19% a menos de recursos públicos para tentar eleger filiados como prefeitos ou vereadores nas eleições de 2020. Tomando como base o valor atual do fundo, esse custo seria de  R$ 17,6 milhões.

A possibilidade de abrir mão dessa quantia milionária já provoca divergências no PSB, que na sexta feira, 30, reunirá sua executiva para definir o futuro dos parlamentares que não seguiram a recomendação do partido em relação à reforma da Previdência. 

“Vou trabalhar contra a expulsão e não só pela questão financeira, mas pela qualidade dos deputados”, disse o deputado Julio Delgado (MG), integrante da executiva pessebista. Entre os deputados que "correm risco" estão, por exemplo, Felipe Rigoni (ES) e Átila Lira (PI)

A situação do PDT é parecida. Oito de seus 28 deputados votaram contra a orientação do partido, que também se reunirá para decidir o futuro dos "infiéis". Se expulsá-los, o PDT perderá 17% do fundo a que tem direito, o que equivale hoje a R$ 12,8 milhões. 

Plano B

Começou a ser debatido no Congresso um "plano B" à tentativa dos deputados de dobrar o valor atual do fundo eleitoral, elevando de R$ 1,7 bilhão para R$ 3,4 bilhões o total de recursos públicos para campanhas. Como essa tentativa foi descartada nessa quarta-feira, 28, há a previsão agora de se apresentar um projeto que funcionaria como uma espécie de minirreforma eleitoral. Nela, os partidos não teriam mais prejuízo ao expulsar filiados dissidentes.

Se aprovada, a mudança ainda beneficiaria o PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, que expulsou o deputado Alexandre Frota (SP) por críticas à legenda e ao governo federal. A saída de Frota custou ao partido R$ 1,6 milhão do fundo, dinheiro repassado ao PSDB, novo partido do parlamentar.

Cada deputado expulso leva para sua legenda nova esse valor fixo, de R$ 1,6 milhão, independente do tamanho da bancada. No caso do PSL o prejuízo não foi tão grande, já que a sigla terá R$ 240 milhões de fundo para receber.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.