PDT e PPS podem se fundir para as eleições de 2006

O presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, disse que o "namoro" com o PPS "pode dar em casamento, ou seja, as duas siglas podem se fundir e criar uma terceira, ainda este ano, visando às eleições nacionais de 2006. A Executiva Nacional do PDT se reuniu nesta manhã, no Rio, para analisar os resultados do processo eleitoral e o futuro político do partido criado por Leonel Brizola.A aliança entre os dois partidos começou em 2002, quando formaram a Frente Trabalhista, que lançou a candidatura de Ciro Gomes, hoje ministro da Integração Nacional. Se mantivessem a aliança em todos os municípios do País, teriam conquistado 611 das 5.592 prefeituras, mais do que as 411 do PT. Ficariam atrás do PMDB, PSDB e PFL. Em Brasília, teriam 38 deputados federais e sete senadores - "pelo menos" - ressaltou Lupi, enfatizando que o novo partido de oposição já nasceria com consistência para atrair políticos insatisfeitos em estar em partidos da base aliada. Ele negou o retorno do ex-governador Anthony Garotinho para disputar a Presidência - "Não conversamos sobre isso", mas não descartou essa possibilidade - "em política, quem fecha portas não sobrevive". A continuidade da articulação para a fusão dos dois partidos foi reforçada pela elaboração de uma agenda em comum. O PPS enviará uma delegação para o Encontro Nacional do PDT e vice-versa. "Antes do nome (da sigla), queremos discutir um projeto para o Brasil", disse Lupi, afirmando não ver maiores obstáculos para a fusão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.