Paz no Campo prega reação ao MST

Organização que se diz herdeira da TFP classifica entidade de sem-terra de ?movimento guerrilheiro em gestação?

Roldão Arruda, O Estadao de S.Paulo

03 de novembro de 2007 | 00h00

O movimento que se denomina Paz no Campo - mantido por dissidentes da ultraconservadora organização Tradição Família e Propriedade (TFP) - está divulgando na internet, em feiras agropecuárias e encontros ruralistas uma série de publicações com ataques ao Movimento dos Sem-Terra (MST), à Comissão Pastoral da Terra (CPT) e à Via Campesina. O carro-chefe das publicações é o Guia Preventivo Contra Invasões de Terras - que pode ser adquirido pela internet.O guia não é vendido, mas o movimento pede a quantia de R$ 20 para sua causa, "contra a reforma agrária socialista, confiscatória e anticristã". A publicação contém várias orientações a ruralistas sobre o que fazer na iminência de uma invasão ou depois que ela ocorreu, com ênfase em ações judiciais e denúncias policiais.Apesar do nome do movimento referir-se à paz e das recomendações aos ruralistas para que ajam dentro da lei, as publicações adotam linguagem belicosa. Na página de apresentação do movimento na internet (www.paznocampo.org.br) é possível ler: "Os inimigos estão em guerra permanente contra o campo." No guia, a epígrafe diz: "Se você quer a paz, prepare a guerra." Em seguida, vem o alerta: "Este é um combate desigual, pois os adversários são os subversivos MST, MLST, Via Campesina, CPT, Conselho Indigenista Missionário (Cimi), etc., que pregam a desobediência civil e agem fora da lei."Outra publicação divulgada pelo movimento, com o título Pastoral da Terra e MST Incendeiam o País, classifica o MST de "movimento guerrilheiro em gestação". Nesse processo de mudança, os líderes sem-terra estariam recebendo orientação das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) - organização de inspiração comunista que hoje controla parte do território do país vizinho.?MISSÃO DEMOLIDORA?Seguindo a tradição do fundador da TFP, Plinio Corrêa de Oliveira (1908-1995), os autores investem pesadamente contra setores do clero identificados com a Teologia da Libertação, que atuam em pastorais sociais da Igreja e entidades como CPT e Cimi. Depois de ter gestado o MST, essa "esquerda católica" - como os autores chamam tais setores - estaria ensinando princípios marxistas aos sem-terra, para que eles possam levar adiante a sua "missão demolidora".Não é só a invasão de fazendas por sem-terra que move o Paz no Campo. Em outra publicação do movimento - Trabalho Escravo, Nova Arma Contra a Propriedade Privada - afirma-se que as constantes denúncias de trabalhadores submetidos a condições análogas às da escravidão "não têm fundamento na realidade". Não passariam de uma cilada contra o agronegócio, orientadas pelo "pensamento socialista-comunista".Os quilombolas também fariam parte de uma conspiração cujo objetivo é o confisco agrário e, em última instância, a implantação do coletivismo. Para o autor de A Revolução Quilombola, outra publicação divulgada pelo Paz no Campo, se não for derrubado o Decreto 4.887, de dezembro de 2003, que regulamentou o artigo da Constituição que garante aos quilombolas o direito à terra onde vivem, "o País poderá ser conduzido a uma luta fratricida".O Paz no Campo é mantido pela Associação dos Fundadores, que se apresenta como legítima herdeira do pensamento de Corrêa de Oliveira, o criador da TFP. Seu coordenador e porta-voz é o advogado Bertrand de Orleans e Bragança, apresentado como príncipe, por ser trineto de d. Pedro II e bisneto da princesa Isabel.INTOLERÂNCIAA assessoria do MST rebateu as acusações de que o movimento prega a violência e tende a se transformar numa organização guerrilheira. "O MST é um movimento popular, pacífico e legítimo de pobres do campo que defendem um processo amplo de reforma agrária, paz, justiça e mudanças na política econômica para garantir ao povo os direitos sociais previstos na Constituição, como educação, saúde, terra e trabalho", disse a assessoria, em nota.Ao se referir ao Paz no Campo, a assessoria ressaltou: "Precisamos lembrar que essa entidade nasceu do seio de uma das organizações mais conservadores e violentas do país, a TFP, que apoiou e deu sustentação ao regime militar e não tem apreço pela democracia nem pela participação popular. A campanha dessa entidade contra os movimentos do campo demonstra seu sentimento de intolerância e truculência contra os trabalhadores sem-terra, em particular, e contra o povo brasileiro, em geral."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.