Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Paulo Souto diz não entender motivo da derrota na Bahia

Favorito desde o início da campanha e derrotado nas urnas pelo petista Rui Costa, o ex-governador da Bahia Paulo Souto (DEM) chegou à terceira derrota consecutiva, todas em primeiro turno, na disputa pelo governo do Estado - nas duas eleições anteriores, havia perdido para o atual governador, Jaques Wagner (PT), colocando em dúvida seu futuro eleitoral. "É um momento para refletir", afirmou. "Mas independente de qualquer busca de mandato, vou continuar atento aos problemas da Bahia."

TIAGO DÉCIMO, Estadão Conteúdo

05 de outubro de 2014 | 23h01

Após a confirmação do resultado, Souto, acompanhado pelo prefeito de Salvador, Antônio Carlos Magalhães Neto (DEM), foi a seu comitê de campanha, localizado na Avenida Antônio Carlos Magalhães, onde falou sobre a campanha e disse não entender o motivo para a derrota, após aparecer na frente nas pesquisas até o início da semana. "Nos últimos 15 dias o resultado mudou e não sei diagnosticar o motivo, mas isso é da política", resignou-se. "O que quero dizer é que estou tranquilo, acho que cumpri minha obrigação de chamar a atenção para os principais problemas da Bahia. Desejo que o vencedor possa fazer um bom governo."

Já a senadora Lídice da Mata (PSB), que tentava se apresentar como "terceira via" da disputa na Bahia, mas conquistou apenas 7% dos votos, reclamou do processo eleitoral no Estado. "O fato de as eleições na Bahia serem decididas sempre no primeiro turno (desde 1994 não há segundo turno nas eleições para o governo do Estado) refletem, na minha opinião, o pouco debate político que ocorre", avaliou. "A Bahia precisa de oxigenação política. Fomos derrotados neste primeiro momento, mas ninguém vence sem dar o primeiro passo e demos o primeiro passo para quebrar esse paradigma."

Senado

O candidato da oposição ao Senado, o ex-ministro da Integração Nacional no governo Luiz Inácio Lula da Silva Geddel Vieira Lima (PMDB), manifestou-se por nota sobre o resultado eleitoral. Disse que "respeita a vontade soberana do povo" e cumprimentou o vencedor do pleito, Otto Alencar (PSD), a quem mandou "votos de que possa, no Senado, ajudar a Bahia no enfrentamento de seus imensos desafios".

Geddel aproveitou para anunciar apoio ao candidato à presidência Aécio Neves (PSDB). "A natural tristeza pessoal é suplantada pela perspectiva de mudarmos o Brasil, com a eleição de Aécio Neves", disse. "Conclamo a todos que confiaram em mim para que marchemos para eleger Aécio Neves presidente do Brasil."

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesbahiapaulo souto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.