Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Paulo Roberto comandou licitação de Abreu e Lima, diz Cerveró

Ex-diretor da Petrobrás seria o responsável por obra de refinaria em Pernambuco

Andreza Matais e Fausto Macedo, O Estado de S. paulo

08 de setembro de 2014 | 07h31

BRASÍLIA- O ex-diretor da área internacional da Petrobras, Nestor Cerveró, afirmou que a condução do processo da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, era de responsabilidade do ex-diretor Paulo Roberto Costa, preso pela Polícia Federal durante a operação Lava Jato. Em depoimento prestado para a Polícia Federal e o Ministério Público, Cerveró contou que Paulo Roberto indicou membros da comissão da licitação da refinaria.


A Abreu e Lima é uma das obras suspeitas de integrarem um esquema de desvio de recursos e lavagem de dinheiro investigado pela operação Lava Jato.

Investigações da Polícia Federal indicam que Costa ajudou empresas de fachada do doleiro Alberto Youssef a fechar contratos com a Petrobras - entre elas, a refinaria. A estimativa é de que, somente nesta obra, tenham sido desviados da R$ 400 milhões.

Em depoimentos prestados depois de um acordo de delação premiada, o ex-diretor Paulo Roberto Costa admitiu a existência de uma espécie de "consórcio" de propinas. Para garantir a realização de contratos com a Petrobras, empresas repassavam comissões que, numa terceira etapa, eram distribuídas para políticos e partidos. A lista de beneficiados, conforme o portão estadão.com.br antecipou, teria mais de 30 parlamentares. Entre eles, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

No depoimento como testemunha na operação Lava Jato, Cerveró, que foi diretor da Petrobras entre 2003 e 2008, contou que integrantes da comissão de licitação são indicados pelo representante da área envolvida. No caso da Abreu e Lima, Paulo Roberto Costa.

A Lava Jato desbaratou esquema de corrupção na Petrobras que consistia em contratos arranjados em troca de propina para políticos do PT, PMDB e PP. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.