Paulo Renato vê erro em critério racial para cotas

Deputado tucano fechou um acordo com o PT para juntar projetos e aprovar modelo de cota social

AE, Agencia Estado

28 de novembro de 2008 | 09h22

O deputado Paulo Renato (PSDB-SP) afirmou esperar que, no futuro, o País conclua que o critério racial para estabelecer cotas nas universidades federais é "errado" e se decida a manter na lei apenas o critério de renda para ampliar o ingresso de alunos de grupos sociais desfavorecidos. Na semana passada, o deputado tucano, ministro da Educação no governo Fernando Henrique, fechou um acordo com o PT para juntar dois projetos e aprovar um modelo de cota social acoplado à fixação de cotas raciais para as universidades federais.Paulo Renato recebeu duras críticas do sociólogo Demétrio Magnoli, em artigo publicado na quinta-feira no Estado, por causa do acordo fechado com o PT. Ele acusou Paulo Renato de participar de "um conluio" para aprovar o projeto. "É uma questão objetiva política. Esse projeto seria aprovado de qualquer maneira", alegou ontem o deputado paulista. Ele reitera que não mudou de posição e diz que, com o acordo, conseguiu incluir no projeto do governo o critério de renda. Esse item constava de um projeto seu que iria a voto, mas tinha chances remotas de aprovação, já que o governo tem ampla maioria na Câmara.

Tudo o que sabemos sobre:
educaçãocotasuniversidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.