Paulo Renato nomeará Lessa reitor da UFRJ

O ministro da Educação, Paulo Renato Souza, anunciou que o professor Carlos Lessa será o novo reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Primeiro colocado na lista tríplice elaborada pelo colégio eleitoral da instituição, Lessa faz oposição ao atual gestor, José Henrique Vilhena, escolhido pelo ministro em 1998, mesmo contra a vontade da maior parte da comunidade acadêmica. Hoje, depois de reunião com Lessa, o ministro prometeu atender ao plano emergencial a ser preparado pela futura administração, que solicitará verbas para conservar as instalações e melhorar a segurança no câmpus da Ilha do Fundão, para que possam ser oferecidos mais cursos noturnos."Já conversei com o presidente Fernando Henrique e nossa intenção é nomear o professor Lessa", disse o ministro, que se disse feliz "com o respaldo que Lessa teve da comunidade da UFRJ" - ele foi escolhido por 87% dos alunos, professores e servidores que participaram da consulta popular. "Na situação atual, ele é o nome ideal para a UFRJ", afirmou. A lista tríplice ainda não chegou ao MEC, mas o ministro informou que o novo reitor será empossado no início do mês de julho. Atualmente, Lessa é decano do Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas (CCJE). Seu vice-reitor será o professor Sérgio Fracalanzza, do Centro de Ciências da Saúde (CCS), seu aliado.ProblemasNas próximas semanas, o grupo que vai compor a nova administração trabalhará no plano a ser enviado ao MEC. Segundo Lessa, há prédios mal conservados e com problemas elétricos, onde há risco de acidentes. Outro problema são os obstáculos ao trânsito de deficientes físicos existentes no câmpus. O futuro reitor deseja resolver ainda problemas como as altas taxas de evasão e de retenção (caso de alunos que levam muitos anos para se formar) na graduação.A insegurança é outra questão a ser resolvida - à noite, são freqüentes os assaltos na Ilha do Fundão, uma área isolada localizada na zona norte do Rio. "Vamos intensificar a iluminação e solicitar ao governo do Estado maior policiamento", afirmou Lessa. "Faremos um mutirão entre o Estado, o município e o governo federal para realizarmos as obras essenciais para a universidade", acrescentou Paulo Renato. O ministro disse que quer aumentar o número de vagas em cursos noturnos, sem perda de qualidade. Segundo ele, houve, nos últimos cinco anos um crescimento de 68% no número de matrículas no período da noite, em todo o País. O ministro informou que ainda não foram calculadas as verbas que serão liberadas para a UFRJ, mas adiantou que só a Escola de Comunicação (ECO) vai receber US$ 1 milhão em equipamentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.