Paulo Renato está com ciúmes de Serra

Ospresidenciáveis do PSDB estão disputando sinais de atenção e prestígio do presidente Fernando Henrique Cardoso.Abriga, que extrapolou os bastidores do partido, já chegou à Esplanada dos Ministérios, mudando a rotina de algunscolaboradores do presidente e a importância das cerimônias promovidas pelo governo federal.Nesta quarta-feira, a discriçãode uma cerimônia fechada no Palácio da Alvorada - para sancionar a lei que federalizou o Programa Bolsa-Escola - não impediu o ministro da Educação, Paulo Renato Souza, de repisar os avanços feitospor sua gestão no programa, que repassa dinheiro a famílias carentes para garantir a matrícula das crianças noensino fundamental.Nos últimos meses, o Palácio do Planalto tem sido palco de grandes cerimônias de projetos na área social, principalmentena área da saúde, abrindo suas portas para políticos e ministros.Paulo Renato fez questão de falar com aimprensa e deu entrevista embaixo de uma das mangueiras que protegem a entrada do palácio. E garantiu que a discrição doencontro não era um sinal de desprestígio junto a Fernando Henrique.?Eu mesmo pedi ao presidente que fizéssemos uma coisa bem discreta?, reagiu. ?Já fizemos uma grande festa quando a MP foieditada?, justificou.Momentos depois, já no ministério, Paulo Renato voltou ao assunto em uma entrevista convocada paraapresentar o guia de livros didáticos do primeiro grau. ?Estavam dizendo que eu estou sendo discriminado?, disse, referindo-se àpergunta feita pelos jornalistas horas antes.Ele repetiu o argumento de que a lei havia sido comemorada meses antes edeclarou estar poupando o governo de eventuais críticas.?Se fizéssemos outra festa, a imprensa reclamaria de que estaríamos fazendo duas comemorações para um programa só?, disse o ministro.Esforçando-se para explicar a solenidade, Paulo Renato também disse que a cerimônia fora fechada por ser esta quarta-feira oúltimo dia para a sanção da lei e acabou entrando em contradição. ?Se não fosse isso, poderíamos ter feito na semana que vem,com a presença dos parlamentares?, avisou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.