Paulo Paim reafirma que votará contra mínimo de R$ 545

O senador Paulo Paim (PT-RS) reafirmou nesta tarde que votará contra o projeto de lei do governo que reajusta o salário mínimo para R$ 545. A declaração dele afasta a hipótese de a bancada no Senado se recompor com o Planalto após o desempenho do PT na Câmara, em que dois petistas votaram contra o governo.

ANDREA JUBÉ VIANNA, Agência Estado

17 de fevereiro de 2011 | 15h25

Paim adiantou que apresentará uma emenda sugerindo a antecipação de 2,75% do aumento previsto para 2012, a fim de garantir o reajuste do salário para R$ 560. "No ano que vem, em janeiro, em vez dos 14% acenados pelo governo, o reajuste seria de 11%", justificou o petista. Mas Paim disse que, se o governo sinalizar com alguma alternativa para extinguir o fator previdenciário e criar uma política permanente de aumento dos aposentados, nesta hipótese ele vota a favor dos R$ 545.

O senador acha que atrairá simpatizantes na Casa para sua proposta. De antemão, ele cita o apoio integral de seus conterrâneos, os senadores Pedro Simon (PMDB-RS) e Ana Amélia (PP-RS). Mesmo assim, ele reconhece que o governo tem maioria suficiente no Senado para aprovar o projeto nos termos em que veio da Câmara.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.