Paulo Octávio pede licença da presidência do DEM-DF

Vice-governador do DF é citado como um dos supostos beneficiários do 'mensalão do DEM'

Agência Estado,

12 Fevereiro 2010 | 18h00

Pressionado por quadro pedidos de impeachment, o governador em exercício do Distrito Federal, Paulo Octávio, pediu nesta sexta-feira, 12, licenciamento da presidência regional do DEM do Distrito Federal. Em carta encaminhada à Executiva Regional do DEM, Paulo Octávio disse que o licenciamento permitirá a ele "maior liberdade de interagir com as demais legendas do Distrito Federal".    

 

Veja também:

linkPaulo Octávio já é alvo de 4 pedidos de impeachment

linkMarco Aurélio mantém prisão de governador José Arruda

 

Paulo Otávio é vice-governadro do DF, e assumiu depois que o governador José Roberto Arruda foi preso na quinta-feira, 11. Segundo investigação da Polícia Federal, Arruda seria o mentor de um esquema de corrupção, conhecido como "Mensalão do DEM", que teria entre seus beneficiários deputados distritais, secretários de governo, assessores e o governador em exercício, Paulo Octávio.

Na carta, ele indicou o deputado Osório Adriano (DEM-DF) como seu substituto.

Veja a íntegra da carta de Paulo Octávio:

"À Executiva Regional do Distrito Federal

A/C Secretário Geral

Prezados companheiros

Tendo assumido na data de ontem, o exercício do Governo do Distrito Federal, em função do afastamento do Governador José Roberto Arruda, pelo Superior Tribunal de Justiça, entendo que para ter maior liberdade de interagir com as mais legendas do Distrito Federal, faz-se necessário o meu licenciamento da Presidência do Partido e de acordo com o Estatuto indico para substituir-me, durante o período de afastamento, o Vice Presidente Deputado Federal Osório Adriano.

Estou certo de que agindo assim permito ao Partido maior autonomia e ao mesmo tempo, repito, abro a possibilidade de diálogo com toda a classe política do Distrito Federal, sem o viés partidário.

Cordialmente

PAULO OCTÁVIO ALVES PEREIRA

Presidente DEM/DF"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.