Paulo Octávio fica calado em depoimento no inquérito da Caixa de Pandora

Segundo o advogado, seu cliente ficou calado 'porque não tem conhecimento do processo'

Agência Brasil

25 de março de 2010 | 18h37

O ex-vice governador do Distrito Federal, Paulo Octávio, se apresentou nesta quinta-feira, 25, voluntariamente à Polícia Federal (PF) para depor no inquérito que investiga as denúncias de corrupção no governo local feitas pela Operação Caixa de Pandora.

 

A operação desbaratou um esquema de arrecadação e distribuição de propina onde há o suposto envolvimento de autoridades do alto escalão do governo do Distrito Federal (GDF) e de empresas que prestam serviços ao GDF.

 

Paulo Octávio foi à unidade do Setor Sudoeste, bairro do Distrito Federal, acompanhado do advogado, Antônio Carlos de Almeida Castro, e se reservou o direito de ficar calado durante o depoimento. Segundo o advogado, seu cliente ficou calado "porque não tem conhecimento do processo". Castro afirmou, ainda, que pediu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) acesso aos autos do processo.

 

A PF deve divulgar um balanço, no fim do dia, sobre as notificações para que sejam tomados os depoimentos pedidos pelo Ministério Público Federal nesta semana.

 

Além do ex-vice-governador, devem ser tomados os depoimentos do ex-governador José Roberto Arruda, do ex-secretário de Comunicação Welligton Moraes, do conselheiro do Tribunal de Contas do DF Domingos Lamoglia, e dos ex-secretários Roberto Giffoni e Durval Barbosa. Este último, o delator do esquema de corrupção.

Mais conteúdo sobre:
Paulo OctávioDFPFmensalao

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.