Paulo Bernardo anuncia remanejamento de recursos do PPI

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, anunciou há pouco que o governo fará um remanejamento dos recursos previstos para o Projeto Piloto de Investimentos (PPI). Segundo ele, o governo vai transferir para obras que estão sendo tocadas de forma mais rápida R$150 milhões dos projetos previstos no PPI que não irão utilizar este ano a totalidade do dinheiro planejado.Bernardo explicou que o objetivo do remanejamento é cumprir todo o orçamento do PPI da mesma forma que aconteceu em 2005, quando 100% dos recursos foram empenhados. Paulo Bernardo disse que grande parte dos recursos remanejados irá para obras nas rodovias e parte será destinada a portos. O detalhamento das medidas será anunciado ainda nesta quarta-feira, no Palácio do Planalto.Economia tucanaO ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Paulo Bernardo, afirmou há pouco, em tom irônico, que, "por enquanto, não dá para achar nada" em relação ao programa econômico do candidato presidencial da coligação PSDB-PFL, Geraldo Alckmin. "Certamente, ele vai detalhar, aprofundar mais. Temos que ter mais informações, porque (o programa) me parece muito vago", afirmou Bernardo, ao deixar o Ministério da Fazenda, onde esteve reunido com o ministro Guido Mantega e o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles. "Não sei de nada"Ele disse desconhecer a existência de um estudo, no governo, sobre mudanças na correção da poupança pela TR. A uma pergunta sobre a notícia de que Henrique Meirelles, também dissera, pouco antes, que desconhecia o estudo, o ministro respondeu: "Então, a matéria não deve ser verdadeira. Eu também desconheço. A poupança tem muitos investidores. Eu acho que é o investimento que tem mais investidores no Brasil. Ainda mais que o Meirelles disse que não conhece." Sobre a proposta em estudo para adoção de redutor para as despesas correntes do governo, Paulo Bernardo não quis dar detalhes: "Isso nós temos que discutir ainda."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.