Paulistano mais otimista com a proximidade da eleição

Levantamento feito pela H2R Pesquisas Avançadas, uma empresa especializada em pesquisas de comportamento, em São Paulo, o mercado publicitário número 1 do País, mostrou que o paulistano está mais otimista em relação ao Brasil neste 2º semestre de 2002 do que no mesmo período do ano passado. A maior justificativa dada para esta alteração de humor do paulistano, segundo Marcela Barbara, responsável pela pesquisa, é a proximidade das eleições com a perspectiva de um novo governo, e as mudanças que ele poderá promover. O número de paulistanos otimistas em relação ao futuro do Brasil aumentou de 12% para 19%. Enquanto no mesmo período do ano passado quase metade dos paulistanos (48%) estava pessimista, neste semestre o número caiu para 35%. Hoje 94% dos paulistanos se julgam felizes.A mudança de governo traz para os paulistanos mais otimistas a perspectiva de mudanças financeiras e também a percepção que estão se buscando saídas para os problemas do País. Também consideram que o povo brasileiro está mais consciente no momento do voto. Estes resultados foram extraídos da pesquisa Flash do Comportamento, realizada na 1ª quinzena de setembro. Nesta pesquisa foram entrevistados 450 paulistanos, de 14 a 65 anos, das classes econômicas A/B/C e DAproximadamente metade dos paulistanos (47%) acredita que o Brasil estará bem melhor nos próximos 4 anos e as principais razões para esta esperança no futuro do país são:Novo governo dará mais emprego - 34% Novo governo irá melhorar o Brasil - 26% Otimismo/esperança - 18% Novo governo cuidará mais da educação e da saúde - 16% Novo governo dará mais segurança - 14% Nova geração mais consciente - 11% Novo governo irá melhorar economia do País - 10% Fé em Deus - 6%Base: acreditam que o Brasil vai melhorar nos próximos 4 anos (210)OtimismoNão há crise no País ou no mundo que abale os paulistanos: 94% se consideram felizes, principalmente porque têm saúde (34%) e família (26%). Enquanto que 19% acreditam num país melhor neste semestre, já em relação à vida pessoal, 61% acreditam numa melhora. As principais razões referem-se a um esforço pessoal, independente de qualquer ação do governo:Vou correr atrás dos meus objetivos - 30% Estou trabalhando - 26% Vou voltar a estudar - 12% Vou conseguir um emprego - 12% Sou otimista/tenho pensamento positivo - 11% Melhor relacionamento pessoal/familiar - 11% Vou arrumar um emprego melhor - 10% Tenho fé/Deus - 8% Quero ajudar minha família - 7%Base: vida pessoal vai melhorar até o fim do ano (276)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.