Sergio Castro/Estadão
Sergio Castro/Estadão

Paulinho da Força: 'Pensamos em lançar Aldo Rebelo à Presidência'

Presidente do Solidariedade, o deputado federal paulista disse ainda que o anúncio deve ser realizado na próxima semana

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

12 Abril 2018 | 18h15

BRASÍLIA - Presidente do Solidariedade, o deputado federal Paulinho da Força (SP) afirmou nesta quinta-feira, 12, que o partido deve lançar o nome do ex-ministro Aldo Rebelo, recém-filiado à legenda, como candidato à Presidência. "Estamos conversando. Devemos fazer o anúncio na próxima semana. Aldo é uma figura histórica, que pode representar o voto da esquerda mais responsável", disse Paulinho.

+ Janela instaura ‘balcão’ de troca partidária na Câmara

Segundo o presidente do SD, a ideia é lançar a pré-candidatura do ex-ministro e, mais para frente, decidir com quem o partido vai compor na eleição nacional. Paulinho já fez acenos a outros pré-candidatos, como o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Aldo anunciou nesta quinta a sua saída do PSB. O ex-ministro assinou a ficha de filiação no dia 5, um dia antes de o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa entrar no PSB.

+ Congresso Nacional barra medidas com impacto de R$ 32 bilhões

No Twitter, Aldo não escondeu que deixava a sigla devido à possibilidade de Joaquim Barbosa ser lançado candidato ao Planalto pelo PSB. "Impossibilitado de acompanhar a manifesta inclinação da direção partidária pela candidatura do ilustre ministro Joaquim Barbosa, comunico meu afastamento do PSB", escreveu.

+ Para aumentar bancada, PR insiste em ter Tiririca

Quando entrou no PSB, em setembro do ano passado, Aldo chegou a ser cotado como candidato à Presidência. O seu nome, no entanto, não prosperou dentro da sigla, que ficou com um vácuo de liderança após a morte do ex-governador Eduardo Campos, durante a campanha presidencial de 2014. Antes de se filiar ao PSB, Aldo havia passado 40 anos ligado ao PCdoB. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.