Paulinho da Força inicia campanha com discurso focado na educação

Candidato do PDT diz que é contra a progressão continuada nas escolas públicas

Débora Álvares - O Estado de S. Paulo,

06 de julho de 2012 | 14h01

Com a educação ocupando posição central nas discussões entre candidatos a prefeito de São Paulo, o concorrente pelo PDT, Paulinho da Força, referiu-se a seus oponentes na disputa como "intelectuais que viveram nas melhores faculdades do Brasil" ao se dizer contra a progressão continuada praticada nas escolas públicas da capital. "Eles sabem que precisam acabar com isso, mas não mudam. Aí o filho do pobre tem déficit na escola e tem que pagar pra ter ensino de qualidade. Vamos acabar com a lógica de rico ir para universidades federais e pobre precisar pagar para estudar."

Nesta manhã, o primeiro dia de campanha, o pedetista caminhou pela região do Brás, acompanhado de cerca de 100 pessoas, entre militantes do partido e integrantes da Forca Sindical - o candidato licenciou-se da presidência da instituição para lançar sua candidatura.

Enquanto cumprimentavam lojistas da região, o grupo gritava a frase que deve virar o lema da sua campanha: "São Paulo tem jeito, Paulinho prefeito".

Em discurso de agradecimento aos apoiadores, o candidato ressaltou suas principais propostas: descentralizar a administração da cidade e levar empregos para a periferia.

Sem coligações com outros partidos, restou ao PDT o quinto tempo de televisão (1min 48seg). Paulinho afirma que vai usar esse tempo para destacar propostas para a cidade, sem se ater a ataques a candidatos. "Temos que resumir o programa e mostrar principalmente a proposta de descentralização, com a eleição de subprefeitos e a questão de levar empregos para a periferia. São Paulo perto das pessoas.

Na educação, além de acabar com a progressão continuada, Paulinho promete fazer parcerias com igrejas e Organizações Não-Governamentais (ONGs) para suprir a carência de creches na cidade. A escola de tempo integral, com horários para esporte e lazer, também está entre as propostas do sindicalista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.