Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

Paulinho da Força diz que 'trabalhadores não estão representados' no Ministério Temer

Deputado, que foi um dos principais articuladores para o afastamento de Dilma, criticou o novo governo ao chegar para reunião que vai discutir a Previdência

Valmar Hupsel Filho, O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2016 | 11h45

BRASÍLIA - Ao chegar ao Palácio do Planalto para a primeira reunião de trabalho do grupo da Previdência nesta quarta-feira, 18,o deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP), o Paulinho da Força, disse que os trabalhadores não estão representados no ministério do presidente interino Michel Temer. "Foi montado um ministério em que os trabalhadores foram esquecidos", disse ele pouco antes do encontro em que estão presentes o titular da pasta, Ronaldo Nogueira, e o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, além de representantes de outras centrais sindicais, como UGT e CSB.

Ligado à Força Sindical, Paulinho disse que, se Temer insistir na reforma da Previdência, vai acabar unindo as centrais sindicais em torno de pautas contra o governo. Hoje, a Força Sindical, a UGT, a CSB e a Nova Central Sindical aceitam sentar à mesa para discutir com o governo, enquanto entidades ligadas ao PT e ao PCdoB, como CUT e MTST, afirmam não reconhecer o governo interino, a quem chamam de "golpista".

Paulinho disse que insistirá na reunião que é necessário alguns ajustes antes de se pensar em fazer uma reforma do sistema, como tem propagado o governo do presidente em exercício Michel Temer. Segundo ele, é necessário acabar com a desoneração, cobrar dos sonegadores e acabar com o que chamou de filantropia. "Filantropia no Brasil é pilantropia. É um bando de gente que faz filantropia mas cobra caro de seus clientes, como é o caso das faculdades", disse.

Segundo o deputado, o setor do agronegócio também deve ser cobrado a contribuir. "O grande rombo na Previdência é no setor rural porque os empresários deste setor não pagam a Previdência", disse. Segundo o deputado, o setor rural teve um déficit de 89 bilhões no ano passado, com arrecadação de R$ 7 bilhões.

Paulinho disse que só depois que forem feitos os ajustes é que se deve discutir uma reforma da Previdência para os novos trabalhadores. "Se tivéssemos feito o que estou dizendo antes já tinha passado 22 anos para os novos trabalhadores. Só que as pessoas ficam querendo resolver o problema agora. Para resolver o problema agora tem que mexer com quem não paga a previdência", disse.

Governo.  Em resposta a Paulinho da Força, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse nesta tarde que o Ministério do Trabalho está muito bem "representado por um trabalhador", referindo-se ao titular da pasta, Ronaldo Nogueira.

"Penso que talvez o que o Paulinho pretendesse dizer é que houvesse um ministério que cuidasse apenas do que eram as pretensões da classe trabalhadora", disse Padilha. "Mas o Ministério do Trabalho está muito bem representado por um trabalhador, um deputado e trabalhador", completou.

Padilha disse que Paulinho "tem participado ativamente" do processo de negociação e que essa é uma "visão". "É uma visão (dele). Ele está representado na medida em que participa com a titularidade de secretaria", disse. "Eu considero Paulinho um dos mais brilhantes representantes da classe trabalhadora", completou o ministro.

Nomeado na semana passada, Ronaldo Nogueira é deputado estadual licenciado pelo PTB-RS. Em sua página pessoal na internet consta que ele é formado em Administração de Empresas e pastor da Igreja Evangélica Assembleia de Deus. / COLABOROU CARLA ARAÚJO

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.