Paulinho critica Dilma em festa do 1º de Maio

O deputado federal e presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho voltou hoje (1) a criticar o governo Dilma Rousseff, dessa vez na festa de comemoração do Dia do Trabalhador organizada pela central em São Paulo. Paulinho disse que gostaria que a presidente cumprisse os compromissos que assumiu com os trabalhadores quando era candidata e, questionado sobre eventual saída do PDT da base de apoio oficial no próximo ano, afirmou que um governo que não conversa com os trabalhadores "não interessa".

BEATRIZ BULLA, Agência Estado

01 de maio de 2013 | 11h33

"O governo Dilma é um governo que só atende empresários", criticou. "Os trabalhadores têm passado longe do Palácio do Planalto. Esse governo não nos interessa. Não atende, não conversa."

Paulinho afirmou que as desonerações das folhas de pagamento deveriam ser rediscutidas a cada três meses, compromisso que não teria sido cumprido pela presidente, e mencionou ainda a luta pelo fim do fator previdenciário. "(A presidente) não quer nem ouvir falar de fator previdenciário e dá R$ 18 bilhões para o empresariado (em desonerações)", disse. De acordo com ele, a ausência da presidente na festa "passa uma mensagem de falta de compromisso com os trabalhadores".

O senador mineiro Aécio Neves, cotado como possível adversário de Dilma pelo PSDB nas eleições de 2014, confirmou presença na festa da Força. A participação do tucano no evento, segundo Paulinho, não indica apoio do PDT a uma eventual candidatura de Aécio. "Convidamos todas as autoridades, o ex-presidente Lula, Eduardo Campos, Marina", afirmou. "Aqueles que acham que devem vir, vêm."

Paulinho voltou a falar sobre sua proposta de gatilho salarial, segundo a qual os salários seriam reajustados a cada alta de 3% na inflação. "A responsabilidade sobre a inflação é do governo e não dos trabalhadores", afirmou. "Sei que tem críticas (à proposta), até porque muitos sindicalistas estão acomodados com o tempo que passamos de estabilidade e na hora que tem de enfrentar são poucos que têm coragem. Chegou a hora de ver quem tem coragem", disse o deputado, rebatendo críticas de outras centrais à ideia.

Ontem, a Central Única dos Trabalhadores (CUT) se manifestou dizendo que o gatilho é um instrumento para ser usado apenas quando há descontrole da inflação. Para Paulinho, contudo, o País já vive um momento de inflação fora do controle.

Tudo o que sabemos sobre:
PaulinhoDilmaForça Sindical

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.