Patriota quer manter sigilo sobre senador boliviano

O ministro das Relações Exteriores, Antônio Patriota, prefere manter a situação do senador boliviano Roger Pinto Molina, abrigado na embaixada do Brasil em La Paz desde maio do ano passado, sob sigilo. Ele destaca, porém, ter mantido "conversas pormenorizadas" com autoridades bolivianas sobre o assunto.

DÉBORA ÁLVARES, Agência Estado

04 Abril 2013 | 13h02

Patriota participou hoje de uma audiência pública na Comissão de Relações Exteriores do Senado Federal e foi questionado sobre a situação do senador, que é oposicionista do presidente Evo Morales. O ministro destacou que um grupo de trabalho foi montado para acompanhar o caso e deve voltar a se reunir dentro de "15 ou 20 dias".

Segundo o ministro, é necessário garantir os direitos humanos do senador boliviano e aplicação do direito de asilo. "Na prática, temos que garantir que não haja visitas injustificáveis, apenas de familiares e advogados e médicos, caso necessário."

Molina já conseguiu autorização do governo brasileiro para deixar a Bolívia, mas o presidente boliviano não concedeu salvo-conduto para o parlamentar sair do país. O senador alega sofrer perseguições políticas e as autoridades bolivianas rebatem que ele responde a diversos processos no país.

Mais conteúdo sobre:
Bolívia senador asilo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.