Pastoral é indicada ao "Nobel das Crianças"

A organização brasileira Pastoral da Criança e seus 155 mil voluntários foram indicados como um dos finalistas do ?Nobel das Crianças?, nome informal da dupla premiação criada por uma entidade internacional com sede na Suécia como incentivo aos trabalhos em defesa dos direitos da infância em todo o mundo. A Pastoral, comandada por Zilda Arns, disputará o prêmio de US$ 55 mil com o sudanês James Aguer Alic, que libertou milhares de crianças escravas em seu país, e Maggy Barankitse, que cuida de crianças na guerra da República de Burundi. A Pastoral da Criança foi indicada por diminuir a mortalidade e a desnutrição infantis no País. Os vencedores dos dois prêmios ("Prêmio das Crianças do Mundo pelos Direitos da Criança" e "Prêmio Amigo Mundial") serão escolhidos através de uma votação mundial e de um júri composto por 12 crianças que já tiveram seus direitos feridos. O representante brasileiro nesse júri é o ex-flanelinha Gedeilson Costa dos Santos, de 15 anos, que mora em Colatina, no Espírito Santo. Além dele, participam do júri crianças e adolescentes da Índia, Estados Unidos, Canadá, República Checa, Uganda, Suécia, Guatemala, Vietnã, África do Sul, Nepal e Paquistão.Eles é que escolherão quem receberá, no dia 28 de abril, das mãos da rainha Sílvia, da Suécia, o ?Prêmio das Crianças do Mundo pelos Direitos da Criança?. Já o vencedor do ?Amigo Mundial? será definido por uma votação para a qual é possível se escrever pela internet. A votação, no entanto, não é aberta a todos. Para participar é preciso ser menor de 18 anos e que a escola em que estude esteja inscrita no programa Amigo Mundial, da fundação Mundo da Criança. A votação começou no dia 10 de fevereiro e vai até 17 de abril. Cinco dias depois serão divulgados os resultados. Também é possível participar sozinho ou organizar um grupo de crianças para a votação. Para isso é preciso mandar US$ 24 para a entidade na Suécia. No site da instituição, não há informação se há alguma maneira de fazer a contribuição em Real, no Brasil. As escolas, exceto as localizadas em países do Hemisfério Norte, não precisam pagar para se tornarem membro do programa e assim organizarem votações. Aos maiores de 18 anos que quiserem participar é permitido apenas tornar-se um ?Amigo Adulto?, o que dá direito a indicar nomes para os prêmios. Para isso, é preciso também contribuir com US$ 24 em favor da entidade ?Mundo das Crianças?. Para mais informações: Prêmios pelos Direitos da CriançaPastoral da Criança

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.