Pastor suspeito de ligação com o tráfico é multado pelo Ibama

O pastor Marcos Pereira da Silva, que está sendo investigado por suposto favorecimento de traficantes, é acusado também de crime contra o meio ambiente. A fazenda Vida Renovada, na Baixada Fluminense, onde três foragidos da Justiça foram presos na quarta-feira, teve 5 mil metros quadrados de mata atlântica desmatada e um morro terraplenado. O pastor foi multado em R$ 170 mil pelo Instituto Brasileiro de Recursos Naturais Renováveis (Ibama), mas recorreu.A fazenda Vida Renovada, de propriedade da Assembléia de Deus dos Últimos Dias, tem cerca de 100 mil metros quadrados (quatro alqueires) e alcança a Reserva Biológica de Tinguá. De acordo com o Sistema Nacional de Unidade de Conservação, que regulamenta essas áreas de proteção ambiental, não se pode desmatar ou construir na área da reserva, na chamada área de amortecimento (no entorno da reserva), nem acima da cota 100 (100 metros de altitude)."Ele terraplanou um morro a 120 metros. A área já estava degradada dentro da reserva, mas ele não poderia ter mexido ali", informou o diretor da reserva de Tinguá, o engenheiro agrônomo Luiz Henrique dos Santos. O auto de infração foi lavrado em abril."O pastor Marcos não sabia que não podia desmatar aquela região. Ele foi multado, mas nós já conversamos com amigos de Brasília e está tudo resolvido. Vamos construir ali um abrigo para 600 fiéis e um templo", informou o administrador da fazenda e irmão de Marcos, o também pastor Robson Pereira da Silva.O diretor da reserva disse desconhecer qualquer autorização para as obras. "Existe um inquérito na Polícia Federal e no Ministério Público Federal. A legislação é muito clara e não permite construção em área de reserva. Não sei que amigos poderiam permitir esse tipo de coisa. Além do mais, o projeto que eles apresentaram ao Ibama é de uma unidade familiar, não um abrigo para 600 pessoas", afirmou Santos. O diretor disse ainda que cultos para 600 pessoas, com sistemas de autofalantes, podem prejudicar a fauna da região, formada por roedores e primatas.A fazenda passa por reformas. As obras são tocadas pelos próprios fiéis, que trabalham voluntariamente. Eles recuperaram um lago para piscicultura, duas piscinas, fizeram campo de futebol e quadra de vôlei e estão construindo baias para cavalos mangalarga e pampa.A Assembléia de Deus dos Últimos Dias está sob investigação da polícia desde que o traficante Alberico de Azevedo Medeiros, o Derico, de 28 anos, foi preso num apartamento alugado em nome de um dos pastores da igreja. A polícia investiga ainda se ele também se escondeu na fazenda. O patrimônio de Derico está sendo rastreado pela Delegacia de Repressão a Entorpecentes. O delegado Anderson D´Azevedo quer saber se os bens do criminoso foram transferidos para a igreja. O pastor Marcos nega.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.