Passeata é marcada pela volta de bandeiras de partidos

A passeata desta quinta-feira no centro do Rio, que reuniu cerca de 8 mil pessoas, foi marcada pela volta de bandeiras vermelhas de partidos de esquerda às ruas e por críticas à ação policial que resultou em 10 mortes no complexo de favelas da Maré, na zona norte do Rio, na noite de segunda-feira, 24. Foi o 13.º protesto realizado no Rio desde o dia 6.

HELOISA ARUTH STURM E FÁBIO GRELLET, Agência Estado

27 Junho 2013 | 20h44

Durante a caminhada pela Avenida Rio Branco, centenas de PMs acompanharam de perto os manifestantes, formando praticamente um cerco ao grupo. Ao longo da via, portas de bancos e lojas foram protegidas por tapumes de madeira. No início da noite, um grupo de manifestantes caminhou da Cinelândia em direção à sede da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor). Após grande mobilização popular, uma CPI para investigar as empresas de ônibus foi instalada na quarta-feira, 26. Até as 19h30 não havia registro de confusão.

Os gritos "Resiste, Maré", "A favela tá na rua, Cabral a culpa é sua" e "Pula, sai do chão, quem é contra o Caveirão" foram repetidos diversas vezes na Rio Branco. Durante a manifestação, o deputado Marcelo Freixo (PSOL), presidente da comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa, disse que teve uma reunião nesta quinta-feira com o secretário estadual da Segurança, José Mariano Beltrame, na qual entregou imagens que, segundo ele, mostram um grupo de nazi-fascistas atacando militantes de esquerda na passeata de quinta-feira, que reuniu mais de 300 mil pessoas na Avenida Presidente Vargas. "Uma coisa é o sentimento da população contra partidos, outra são esses ataques, que precisam ser investigados", disse Freixo. Na segunda-feira, durante manifestação realizada na Rio Branco por grupos como a União Contra a Corrupção (UCC), estandartes de partidos políticos foram vetados.

Na reunião de Freixo com Beltrame foi abordada a violência policial contra manifestantes no centro do Rio após o ato de quinta e a ação do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da PM na Maré. "O diálogo foi ótimo, agora tem que ter um desdobramento, com investigações." Freixo também pediu que haja diálogo da PM com manifestantes para evitar problemas no domingo, quando será realizada a final da Copa das Confederações, no Maracanã.

Na manifestação desta quinta, muitos pediam em faixas e cartazes a desmilitarização da PM. Um grupo de 30 indígenas expulsos pelo governo estadual do prédio do antigo Museu do Índio, ao lado do Maracanã, participou do ato. Dezenas de PMs da Tropa de Choque cercaram o prédio da assembleia legislativa, palco de violento confronto na semana passada. (Colaborou Felipe Werneck)

Mais conteúdo sobre:
Protestos Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.