Partidos vão discutir reação a escutas clandestinas

Líderes e presidentes de partidos da base governista e da oposição reúnem-se hoje no Senado para discutir uma reação conjunta aos abusos cometidos pelo delegado Protógenes Queiroz, na Operação Satiagraha da Polícia Federal. A ideia é exigir explicações do governo e cobrar rápida punição do delegado, no embalo da reportagem da última edição da revista Veja, sobre o conteúdo de computadores e pen drives do delegado, apreendidos durante a operação pela própria PF. O líder do DEM no Senado, José Agripino (RN), vai sugerir aos colegas que se reúnam rapidamente com o presidente do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, para discutir o problema. Agripino avalia que é preciso vigiar as instituições que estão atuando policialescamente e diz que isto só ocorrerá se houver ação da oposição."Ou se coloca um paradeiro nisto, ou o Brasil será transformado em um Estado sem lei", protesta o presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE). Além dos tucanos, DEM, PDT e PSB também querem esclarecimentos sobre a o material apreendido.O presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), convocou o presidente da CPI dos Grampos, Marcelo Itagiba (PMDB-RJ), e o relator, Nelson Pellegrino (PT-BA), para uma reunião na tarde de hoje em que será discutida a prorrogação dos trabalhos da comissão. Itagiba pede a extensão dos trabalhos por mais 60 dias, para os deputados analisarem documentos do inquérito da PF que apura abusos de Protógenes.Temer em princípio concorda com a necessidade de ampliar as investigações sobre a atuação do delegado Protógenes na Operação Satiagraha. O presidente tende a aprovar a prorrogação dos trabalhos da CPI, que deveria terminar esta semana, depois da votação do relatório de Pellegrino.O deputado Marcelo Itagiba concluiu um voto em separado ao parecer do relator em que afirma que Protógenes mentiu à CPI. Em nota, o presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Cezar Britto, cobrou providências do governo contra as supostas investigações ilegais feitas pelo delegado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.