Partidos reclamam de ?seca? na arrecadação

Passado um terço do período eleitoral, as cinco principais campanhas em São Paulo arrecadaram apenas 1,6% do total estabelecido como teto de gastos, e recorrem a diferentes estratégias para tentar contornar a seca financeira. Todos os partidos reclamam da falta de verbas e dizem que é a mais lenta arrecadação da qual já participaram.

FELIPE FRAZÃO, FERNANDO GALLO, JULIA DUAILIBI E RICARDO CHAPOLA, Agência Estado

15 de agosto de 2012 | 09h50

Até agora, José Serra (PSDB), Fernando Haddad (PT) e Gabriel Chalita (PMDB) conseguiram R$ 4,7 milhões em doações. Soninha Francine (PPS) recebeu R$ 23 mil. Celso Russomanno (PRB) não obteve nenhuma. O valor dos tetos dos cinco, somados, é R$ 292,5 milhões.

Desde anteontem a reportagem pede ao TSE os dados da primeira parcial de arrecadação da campanha de 2008, mas o tribunal não os forneceu.

Dirigentes partidários ouvidos pelo Estado culpam a proximidade do julgamento do mensalão, o desfecho da CPI do Cachoeira, a falta de máquina - em alguns casos - e as férias de julho pela dificuldade de arrecadação.

Segundo algumas campanhas, parte do empresariado anda assustada com os efeitos que a punição e a publicidade dos escândalos de corrupção podem ter nas empresas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2012SParrecadação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.