Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

Partidos protocolam pedido de intervenção na Secretaria de Segurança do MA

Motivo alegado é um ofício expedido pela PM ordenando que todos os batalhões do Estado monitorassem os adversários políticos do governo

Ricardo Galhardo, enviado especial, O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2018 | 19h18

SÃO LUÍS - Dez partidos de oposição ao governo Flávio Dino (PCdoB) protocolaram nesta terça-feira, 24, junto à Procuradoria Geral da República, um pedido de intervenção federal na Secretaria de Segurança Pública do Maranhão. 

+ Secretário de Segurança do Maranhão diz a ‘canalhas de todos os naipes’ que não vai se ‘intimidar’

O motivo alegado é um ofício expedido pelo comando da Polícia Militar ordenando que todos os batalhões do Estado monitorassem os adversários políticos do governo. O pedido se baseia no artigo 34 da Constituição, diferente da argumentação legal usada para a intervenção militar no governo do Rio de Janeiro, baseada no artigo 84 da Carta. 

A representação é assinada por MDB, PSDB, PSD, PV, PHS, PMB, PODEMOS, PRTB, PSDC e PSC. O documento do Comando de Policiamento do Interior da PM maranhense determina a identificação de políticos opositores ‘ao município’ ou ao ‘Estado’ que possam ‘causar embaraços no pleito eleitoral’ e ainda manda transferir policiais envolvidos com política. 

Assim que o caso veio à tona, Dino ordenou a exoneração de dois oficiais da PM responsáveis por emitir e depois distribuir o ofício. Na segunda, ao saber do pedido de intervenção, o governador reagiu no Twitter acusando a “máfia” do Maranhão de usar o episódio de forma política. 

+ Procuradoria Eleitoral investiga polícia de Flávio Dino por espionagem de opositores

“A máfia maranhense agora quer intervenção federal no Maranhão com base em papel assinado por um oficial de quinto escalão da PM. Não querem eleições, querem 'tapetão'. Devem ter saudade do tempo da ditadura militar, quando mandavam sem ter votos”, disse o governador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.