Partidos disputam relatoria e presidência da CPI na Câmara

Os partidos políticos na Câmara iniciaram a disputa pela relatoria e pela presidência da CPI da Crise Aérea, cuja instalação foi determinada pelo STF na última quarta-feira. O líder do governo na Câmara, José Múcio (PTB-PE), disse que a decisão é política, mas lembrou o que diz o regimento da Casa. "A presidência cabe ao maior partido e o presidente escolhido indica o relator". A oposição defende a entrega da relatoria da CPI a um deputado do bloco não aliado ao governo, mas os governistas já deixaram claro que não abrirão mão desses dois cargos, que são os mais importantes da comissão. O PSDB briga pela relatoria e pela presidência e já ganhou o apoio do DEM (ex-PFL). Segundo o líder do Democratas, Onyx Lorenzoni, o partido não vai disputar os cargos e apóia o pleito dos tucanos. IndicaçõesO PSDB já escolheu os deputados que representarão o partido na CPI. Os titulares são os deputados Vanderlei Macris (SP) e Zenaldo Coutinho (PA) - autores do requerimento da criação da comissão - e Gustavo Fruet (PR), que foi um dos mais ativos integrantes da CPI Mista dos Correios, que apurou o escândalo do mensalão. Os suplentes tucanos são Carlos Sampaio (SP), Otávio leite (RJ) e Rodrigo de Castro (MG). Os oposicionistas PSDB, DEM e PPS poderão indicar sete titulares, no total, e igual número de suplentes. A oposição terá ainda um deputado do PSOL na CPI. Os indicados são Ivan Valente (SP) e Luciana Genro (RS), mas o PSOL ainda não definiu qual dos dois será o titular. O líder do DEM, deputado Onix Lorenzoni (RS), também indicou os três titulares e os três suplentes do partido na comissão. Os titulares indicados por Lorenzoni são Solange Amaral (RJ), Vitor Penido (MG) e Vic Pires Franco (PA), e os suplentes, Efraim Filho (PB), Davi Alcolumbre (AP) e Silvinho Peccioli (SP). "São nomes com muita experiência e defenderão as posições do partido na CPI", afirmou o líder do DEM.O PV tem direito a uma vaga na CPI. Os governistas PMDB, PT, PP, PTB, PSC e PR indicarão um total de 12 titulares e 12 suplentes. E o bloco governista formado por PSB, PDT, PC do B e PMN poderá designar três representantes. ´CPI do fim do mundo´Múcio afirmou que a CPI não é "confortável", mas que o governo vai colaborar com as investigações. Já Henrique Fontana fez uma advertência à oposição: "Não vamos admitir uma ´CPI do fim do mundo´. Espero que a CPI tenha um caráter técnico", disse, referindo-se à maneira como era chamada a CPI dos Bingos, pelos embates políticos entre oposição e governo sobre os mais variados temas. Os líderes partidários se reuniram nesta quinta-feira com o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), e acertaram que até a próxima quarta-feira terão que fazer a indicação dos respectivos integrantes para a CPI. (Colaborou Denise Madueño)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.