Partidos anunciam acordo para aprovação de duas PECs

O líder do PFL na Câmara, Inocêncio de Oliveira, disse nesta quarta-feira, após reunir-se com o presidente da Câmara, Aécio Neves, que a Medida Provisória que permite a contratação temporária para substituição de servidores públicos em greve será rejeitada por unanimidade na sessão desta quarta-feira do plenário.Inocêncio disse que fechou um acordo entre todos os partidos que permitirá a votação, na sessão de que deve ocorre na noite desta quarta-feira, das duas propostas de emenda constitucional que estão na pauta: a que permite participação de capital estrangeiro nas empresas jornalísticas e de radiodifusão e a que prorroga a vigência da CPMF.O novo líder do PT na Câmara, deputado João Paulo Cunha (SP) disse nesta quarta-feira, pouco antes das declarações de Inocêncio, que existe a possibilidade de um acordo para votação dessas matérias, desde que a bancada do governo concorde em rejeitar a medida provisória que permite a contratação temporária para substituuição de servidores públicos em greve. "Não está longe de se chegar a um acordo", disse anteriormente João Paulo.O PT está esticando a corda porque avalia que a bancada do governo não terá os 308 votos necessários para manter o texto da PEC da CPMF aprovado na comissão especial. O partido havia dito que não votaria o texto nos termos do relatório do deputado Delfim Neto. Segundo João Paulo, o PT queria a prorrogação da CPMF até o fim de 2004, conforme a proposta original do governo, e não apenas até dezembro de 2003. O partido pretendia, também, modificar o dispositivo que isenta as transações no mercado de capitais fora das bolsas de valores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.