TV Estadão | 07.07.2015
TV Estadão | 07.07.2015

Partidos aliados divulgam nota de apoio a Dilma e a Temer

Manifesto assinado por oito siglas foi divulgado após reunião da base no gabinete da Vice-Presidência e afirma convicção de que TCU aprovará contas da presidente referentes a 2014

RAFAEL MORAES MOURA E RICARDO DELLA COLETTA, O Estado de S. Paulo

07 de julho de 2015 | 14h33

BRASÍLIA - Após reunião no gabinete da vice-presidência da República, líderes e dirigentes de partidos da base aliada assinaram nota na qual manifestam apoio à presidente Dilma Rousseff e ao vice-presidente Michel Temer. Pedem "compromisso com a legalidade democrática" e se dizem "convictos" de que os argumentos sobre a legalidade das contas do governo da petista referentes a 2014 "serão acolhidos" pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

"Fizemos manifestação explícita, assinada por todos os líderes presentes e presidentes de partidos, em defesa da legalidade, da vontade popular e, evidentemente, dos mandatos da presidente Dilma e do vice-presidente Michel Temer", disse o líder do governo na Câmara dos Deputados, José Guimarães (PT-CE).

Na avaliação do presidente nacional do PT, Rui Falcão, a nota reafirma o apoio da base a Dilma, a Temer e ao "respeito inarredável à Constituição, à vontade popular manifestada nas urnas e ao compromisso com a legalidade democrática". "Não há crise política nenhuma, as instituições estão funcionando regularmente", comentou Falcão, ao deixar o gabinete do vice-presidente.

O documento foi referendado por representantes do PT, PMDB, PDT, PROS, PRB, PCdoB, PR e PSD. O manifesto de apoio a Dilma e a Temer foi divulgado no dia seguinte a uma reunião realizada no Palácio da Alvorada na qual os ministros Luís Inácio Adams (Advocacia-Geral da União) e Nelson Barbosa (Planejamento) fizeram uma defesa prévia das contas do governo do ano passado, que correm o risco de serem reprovadas pelo TCU. Auxiliares de Dilma temem que uma eventual rejeição do balanço possa desencadear a abertura de um processo de impeachment no Congresso.

"Há tudo para que os argumentos (do governo) sejam acolhidos", reforçou Falcão. Além do mais, no final de semana, o PSDB encampou a tese de que o mandato de Dilma deve ser encurtado e novas eleições realizadas antes de 2018.

"É uma tentativa de fortalecer o projeto. A nota é para responder para a sociedade: a base não vai pactuar nem vacilar na defesa da democracia. Aécio (Neves, presidente do PSDB) é o porta-voz do golpe, tem se caracterizado como o porta-voz do golpe. Deveria pelo menos honrar a história do seu avô", rebateu Guimarães.

O aumento da pressão em direção a um eventual processo de impeachment contra Dilma motivou uma reação do governo. Na nota divulgada hoje, as legendas da base também saúdam a edição da Medida Provisória que criou o Programa de Proteção ao Emprego (PPE).

Tudo o que sabemos sobre:
DilmaimpeachmentTemer

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.