Partido quer 1ª vice-presidência do Senado

Com essa escolha, os petistas esperam impedir que o comando do Senado fique nas mãos da oposição

Christiane Samarco e Eugênia Lopes, de O Estado de S.Paulo,

10 Dezembro 2010 | 23h01

BRASÍLIA - A pedido da presidente eleita, Dilma Rousseff, a bancada do PT no Senado decidiu pleitear a primeira vice-presidência da Casa. Com essa escolha, os petistas esperam impedir que o comando do Senado fique nas mãos da oposição, todas as vezes que o presidente da Casa for obrigado a se afastar.

 

Depois da escolha de Garibaldi Alves (PMDB-RN) para o Ministério da Previdência no futuro governo, o cenário político hoje é favorável à reeleição do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), em 1.º de fevereiro.

 

O estado de saúde do presidente do Congresso preocupa o Palácio do Planalto, que não quer correr o risco de ver o Congresso nas mãos da oposição, na eventualidade de uma licença do titular. Terceiro na linha de sucessão do Planalto, Sarney tem 80 anos e apresenta um quadro de arritmia cardíaca e revela cansaço.

 

‘Prefeitura’

 

Nas primeiras conversas em torno da partilha dos cargos da Mesa Diretora do Senado, o PT demonstrou interesse pela primeira secretaria, uma espécie de prefeitura da Casa responsável pelo polpudo orçamento de R$ 2,7 bilhões, em 2010. Mas, depois do alerta de Dilma, os petistas avisaram que vão escolher a primeira vice-presidência.

 

Na condição de segunda maior bancada, os petistas têm o direito à segunda escolha entre os sete cargos de direção da Casa, logo depois do PMDB que, sendo a bancada majoritária, indica o candidato a presidente.

 

A terceira escolha cabe aos tucanos. "O PSDB não gosta da ideia de ficar com a primeira secretaria. Nós preferimos a primeira vice-presidência", afirmou o presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE).

 

A primeira secretaria, nos últimos anos, foi comanda pelo antigo PFL rebatizado de DEM. Nos últimos anos, foi alvo de denúncias de irregularidades na gestão do Senado e dos atos secretos que camuflaram procedimentos ilegais. Daí a resistência dos tucanos em ficar com o cargo.

 

Alternativa

 

A candidatura de Sarney à reeleição é dada praticamente como certa tanto pelos governistas quanto pela oposição. O candidato "natural" à sucessão de Sarney seria Garibaldi Alves, que saiu do páreo com sua ida para a Previdência. Agora, o PMDB trabalha com a alternativa de lançar o recém-eleito senador Eunício Oliveira (CE) para a presidência do Senado, em caso de desistência de Sarney. O peemedebista cearense chegará ao Senado ao lado de outro estreante: o petista José Pimentel.

 

Além da derrota do tucano Tasso Jereissati no currículo, Eunício tem a seu favor a experiência de ex-líder da bancada peemedebista na Câmara e de ministro das Comunicações no primeiro governo Lula.

Mais conteúdo sobre:
PT Senado vice-presidência

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.