Partido nega acordo; advogado não comenta

A assessoria de imprensa da direção nacional do PT disse nesta segunda-feira (10) que o partido não pagou nenhum honorário dos advogados do empresário Marcos Valério, na defesa durante o processo do mensalão. "O PT informa que o partido não pagou honorários aos advogados de Marcos Valério", disse o partido em nota.

Agência Estado

11 de dezembro de 2012 | 09h38

O criminalista Marcelo Leonardo não se manifestou sobre o depoimento ontem. "Nada a declarar, vou esperar acabar esse julgamento (do mensalão)", disse.

Marinho

Por nota, o prefeito reeleito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho, negou ter beneficiado algum banco. "Como presidente da CUT, Luiz Marinho participou ativamente da instituição do empréstimo consignado no País", diz a nota. "Na época, preocupado com a elevada taxa de juros para empréstimos pessoais cobrada pelos bancos, o então presidente da CUT propôs ao presidente a criação de um instrumento que permitisse o desconto direto na folha de pagamento dos trabalhadores. Os bancos alegavam que a taxa era alta em razão do alto índice de inadimplência. O então presidente aprovou a proposta e pediu que Marinho a encaminhasse ao ministro da Fazenda, Antonio Palocci, e assim surgiu o empréstimo consignado." A nota continua: "Quando a proposta virou lei, Marinho, como presidente da CUT, procurou diretamente um conjunto de bancos entre eles BMG, Santander, BB, Bradesco, entre outros, para garantir a implementação do empréstimo consignado com melhores taxas". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Tudo o que sabemos sobre:
mensalãodepoimentoValériorespostas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.