Reprodução
Reprodução

Partido de Maia, DEM só declara 8 de seus 29 votos para Baleia na Câmara

Sigla, que oficialmente apoia emedebista, está rachada; oito parlamentares da legenda dizem apoiar Lira, mostra placar Estadão

Adriana Ferraz, O Estado de S.Paulo

27 de janeiro de 2021 | 17h08

A cinco dias da eleição na Câmara, somente oito dos 29 deputados do DEM declaram voto em Baleia Rossi (MDB-SP), mostra o placar do Estadão, confirmando o racha interno na legenda. Oficialmente, a sigla do presidente da Casa, Rodrigo Maia, integra o bloco de apoio ao emedebista.

Pelo levantamento, outros oito deputados da sigla declaram voto no rival de Baleia, Arthur Lira (PP-AL), candidato apoiado por Jair Bolsonaro – 12 não quiseram responder em quem vão votar e 1 parlamentar não foram encontrado. O índice de “fidelidade partidária” do DEM alcança só 27%, com base no placar Estadão. A eleição está marcada para o dia 1º, e o voto é secreto.

A adesão dos deputados baianos à candidatura de Lira, como mostrou o Estadão, expôs a divisão interna na sigla – o grupo dissidente, com mede de perder cargos no governo federal, é comandado pelo presidente nacional do partido e ex-prefeito de Salvador, ACM Neto. Responsável pela escolha de Baleia, Maia afirmou que sigla pode pegar pecha de ‘partido da boquinha’.

Para Entender

Veja o placar da eleição para presidente da Câmara dos Deputados

Baleia Rossi, candidato de Rodrigo Maia, e Arthur Lira, apoiado por Bolsonaro, lideram corrida pela presidência da Casa; siga distribuição de votos por deputado, partidos e Estados

No entanto, parlamentares que já se reuniram com Lira evitam afirmar publicamente o apoio. É o caso, por exemplo, de Paulo Azi e Igor Kannário, ambos representantes da bancada baiana, toda fechada com o candidato do presidente Jair Bolsonaro.

A investida de Bolsonaro para emplacar Lira no comando da Câmara deve render ainda mais votos do DEM ao candidato do Planalto. Isso porque os ministros Onyx Lorenzoni (Cidadania) e Tereza Cristina (Agricultura), ambos da sigla, serão exonerados para retomar seus mandatos e votar no dia 1º de fevereiro. Eles substituirão parlamentares do PSL (que já apoia Lira) e do PSDB, ainda indeciso.

Na manhã desta quarta-feira, 27, Bolsonaro recebeu cerca de 30 deputados do PSL para um café da manhã comandado por seu filho Eduardo, que continua filiado ao partido mesmo depois da saída do pai. Durante o encontro, o presidente disse: “Vamos, se Deus quiser, participar e influir na presidência da Câmara com esses parlamentares”.

Eleição na Câmara pode ser definida no segundo turno

Na disputa voto a voto, a expectativa é que o pleito entre Lira e Baleia possa ser definido em segundo turno. Para se tornar presidente da Câmara será necessário obter 257 votos. O placar do Estadão mostra nesta quarta vantagem para Lira, que soma 203 votos declarados à reportagem. Baleia tem 123 e um total de 151 deputados não aceitaram abrir o voto.

Além de Lira e de Baleia, outros sete parlamentares se apresentaram como candidatos: Alexandre Frota (PSDB-SP), Luiza Erundina (PSOL-SP), Capitão Augusto (PL-SP), Marcel Van Hattem (Novo-RS), Fábio Ramalho (MDB-MG), André Janones (Avante-MG) e General Peternelli (PSL-SP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.