Divulgação|PMB
Divulgação|PMB

Partido da Mulher atinge marca de 20 deputados, sendo apenas duas mulheres

Legenda criada pela comerciária carioca Suêd Haidar, o PMB tem, no entanto, a intenção de 'aumentar a participação das mulheres em todos os setores da sociedade'

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

27 Novembro 2015 | 20h03

Dois meses depois de ter seu registro aprovado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o Partido da Mulher Brasileira (PMB), a 35ª legenda oficialmente reconhecida no País, atingiu nesta sexta-feira, 27, a marca de 20 deputados federais.

Apesar de ter sido criado com a intenção de “aumentar a participação das mulheres em todos os setores da sociedade”, como diz o programa partidário, a bancada da legenda tem apenas duas mulheres: Brunny (MG) e Dâmina Pereira (MG).

Nenhuma delas foi escolhida líder, cargo que foi entregue ao deputado Domingos Neto (CE).  “Não podemos obrigar as mulheres a deixarem seus partidos de origem, onde seus maridos são senadores e governadores, e mudarem para o PMB”, diz a presidente da sigla, Suêd Haidar (RJ).

Ela lembra, ainda, que dos 513 parlamentares que compõem a Câmara, apenas 53 são mulheres. “O Brasil inteiro tem conhecimento que só agora as mulheres estão tendo lugar nas instituições partidárias”, diz.

Como orientação partidária, o PMB apresenta um programa vago. “Como orientação partidária, o PMB é centro-esquerda com um posicionamento de centro entre o Capitalismo e o Socialismo, mas com uma tendência maior ao socialismo. Ou seja: de esquerda. O ponto principal da orientação é exatamente buscar o melhor posicionamento de ambos os lados e trazer para o nosso partido”, diz o texto de apresentação da sigla na internet.

Foi no fim de 2008 que a comerciária carioca Suêd Haidar, de 56 anos, reuniu seus três filhos para comunicar que decidira vender as cinco lojas de alimentos que sustentavam a família para realizar um sonho: montar um partido político. Com o dinheiro, abriu um site e saiu em busca de aliados para criar o Partido da Mulher Brasileira. "Comecei pelo Maranhão e percorri quase todos os Estados brasileiros em busca de assinaturas", conta Suêd, que no final de 2014 reuniu as assinaturas exigidas pelo TSE.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.