Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Partido Comunista chinês convida partido de Bolsonaro a visitar Pequim

Filho do presidente eleito, Eduardo Bolsonaro propôs à Câmara um projeto de lei para criminalizar o comunismo; gesto do país asiático é visto como uma tentativa de aproximação com novo governo

Jamil Chade e Mariana Haubert, O Estado de S.Paulo

19 Novembro 2018 | 20h16

GENEBRA e BRASÍLIA - O Partido Comunista de Pequim convida membros do partido de Jair Bolsonaro para uma visita à China, na esperança de manter uma relação "pragmática". No último dia 15 de novembro, a embaixada da China no Brasil enviou uma carta abrindo convite para receber uma delegação de dez membros do PSL, no que foi interpretado na diplomacia nacional como um gesto dos chineses para tentar se aproximar do novo governo brasileiro.  

 

Filho do presidente eleito, Eduardo Bolsonaro propôs à Câmara um projeto de lei para criminalizar o comunismo. Durante a campanha eleitoral, Bolsonaro criticou a China, o que levou Pequim a se preocupar com uma eventual vitória do candidato do PSL. No entanto, seus correligionários estão dispostos a atravessar o mundo. 

“Recebemos o convite e eu vou levar para a bancada discutir, mas é uma decisão do partido no fim das contas”, disse ao Estado o presidente do partido, deputado Luciano Bivar (PE). Ele acrescentou que ainda não há decisão sobre o convite, que classificou como “muito bem-vindo”, mas deverá procurar a embaixada para discutir datas. Na sua avaliação, a aceitação do convite não se choca com a linha do futuro governo. “É uma questão de diplomacia entre dois partidos”, disse. “É uma relação civilizada do mundo moderno.”

Outro integrante do partido, o deputado e senador eleito Major Olímpio, não vê problemas em aceitar o convite dos chineses. "Não vejo por que não”, disse. “A China hoje é o maior parceiro comercial do Brasil."

Assim que Bolsonaro venceu, jornais chineses que servem de porta-vozes para o Partido Comunista alertaram sobre o risco que o Brasil correria se modificasse o tratamento dispensado à Pequim. 

No China Daily, o alerta era de que criticar Pequim "pode servir para algum objetivo político específico, mas o custo econômico pode ser duro para a economia brasileira, que acaba de sair de sua pior recessão da história", afirmou a China em editorial.

"Ainda que Bolsonaro tenha imitado o presidente dos EUA ao ser vocal e ultrajante para captar a imaginação dos eleitores, não existe razão para que ele copie as políticas de Trump", alertaram os chineses. Bolsonaro, ao longo da campanha presidencial, criticou a China. Em fevereiro, ele ainda visitou Taiwan, o que deixou Pequim irritada.

Há também desde a semana passada uma percepção entre os diplomatas chineses de que o futuro chanceler, Ernesto Araujo, dará uma atenção especial às relações com o governo americano de Donald Trump

Agora, a estratégia é a de não se afastar de Brasília e o primeiro gesto seria por meio do PSL. “Com o objetivo de aprofundar o conhecimento mútuo, o Departamento internacional do Comitê Central do Partido Comunista da China tem a honra de convidar uma delegação do PSL (10 membros) para visita à China no ano corrente”, diz a carta dos chineses.

“A proposta do tema da visita é intercâmbio de experiências de governança e cooperações pragmáticas entre os partidos”, diz o texto, que usa a referência ao pragmatismo como forma de mandar um recado ao novo governo brasileiro, que tem prometido não ser guiado por "ideologia".

Os chineses deixam claro que bancam toda a viagem. “As despesas de passagem internacional, alimentação e alojamento na China serão cobertas pela parte chinesa”, esclarece. “Seria muito agradecida se o PSL pudesse apresentar a sua proposta de visita (data, composição de delegação e temas de interesse)”, sugerem os chineses.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.