Parte fiscal do PAC não está em negociação, afirma Dilma

A ministra chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, disse no Congresso Nacional que o governo não pretende negociar a parte fiscal do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) da economia. Em rápida entrevista, após participar da abertura do ano legislativo de 2007, nesta sexta-feira, a ministra defendeu esse programa de investimentos do governo, que prevê aplicação de mais de R$ 500 bilhões em obras de infra-estrutura. "Todo o processo é negociável, o que não está em negociação é o espaço fiscal do PAC. Ele é um só", afirmou Dilma, pouco antes de o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), ter destacado em discurso a necessidade de discussão do PAC entre Congresso, governadores e demais setores da sociedade. A ministra, na entrevista, disse que o governo aceita discutir projetos de lei e medidas provisórias que garantem a implantação do PAC. E concluiu: "É um programa importante para o País. E, sem a colaboração de todos os poderes e de todos os entes federativos, o PAC não terá o resultado que todos nós esperamos. O PAC foi muito bem recebido, e espero que o Congresso dê sua contribuição, e tenho certeza de que o PAC vai ser um sucesso."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.