Parte dos prefeitos do PMDB apoia Dilma em São Paulo, diz Temer

Candidato a vice admite que ainda há divisão no apoio aos candidatos ao governo do Estado, mas vê migração de apoios para petista no âmbito nacional

ANNE WARTH, Agência Estado

26 de agosto de 2010 | 16h50

O candidato a vice-presidente na chapa de Dilma Rousseff (PT), Michel Temer (PMDB), afirmou hoje que diversos prefeitos de cidades paulistas filiados ao PMDB estão mudando de lado e devem declarar apoio em breve à candidatura da petista.

Mercadante: ataque de Alckmin se deve a 'nervosismo'

Em São Paulo, o PMDB é liderado por Orestes Quércia, candidato ao Senado Federal e aliado do candidato do PSDB à sucessão presidencial, José Serra. Temer admitiu que há uma divisão no partido entre os que apoiam os principais candidatos ao governo paulista: Geraldo Alckmin (PSDB) e Aloizio Mercadante (PT). O peemedebista afirmou, contudo, que o quadro de apoios à disputa federal está mudando.

"Para o governo do Estado, o partido está dividido, isso eu reconheço", afirmou. "Parte está com Mercadante e parte está com Alckmin, mas no tocante ao governo federal, a sensação que eu tenho é de que a grande maioria vem para a nossa chapa", disse Temer, após participar de encontro com empresários da Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil, na capital paulista.

O PMDB administra 69 dos 645 municípios de São Paulo e, segundo Temer, grande parte desses prefeitos tem manifestado a intenção de trabalhar para eleger Dilma. "Tenho visto uma manifestação de prefeitos, vice-prefeitos, vereadores e presidentes de diretórios municipais apoiando nossa chapa", afirmou.

Questionado se as pesquisas de intenção de voto que apontam vitória da petista já no primeiro turno têm contribuído para essa debandada de apoios para a campanha de Dilma, Temer disse não saber responder. "É possível", esquivou-se.

O candidato a vice também não quis dizer quantos prefeitos do PMDB já mudaram de lado. "Prefiro não dizer, quem sabe mais tarde eu anuncie que são todos". Temer informou que o partido deve inaugurar no sábado, 28, um comitê suprapartidário em apoio a Dilma na cidade de Ribeirão Preto (SP), a exemplo do que foi já foi feito em Jales (SP). "Vamos reunir todas as lideranças da região", garantiu.

A iniciativa de criar um comitê foi do ministro da Agricultura, Wagner Rossi. Temer disse ainda estar pessoalmente engajado na campanha para eleger Mercadante governador de São Paulo. "Já estou nesse esforço concentrado há algum tempo", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.